Repórter é preso por filmar confrontos entre torcedores iranianos

Protestos marcaram os jogos do Irã na primeira fase da Copa do Mundo do Catar. Foto: Giuseppe Cacace/AFP via Getty Images
Protestos marcaram os jogos do Irã na primeira fase da Copa do Mundo do Catar. Foto: Giuseppe Cacace/AFP via Getty Images

Um repórter que cobre a Copa do Mundo no Catar foi supostamente detido pela polícia depois de filmar torcedores iranianos se enfrentando em protestos pelos direitos das mulheres.

Rasmus Tantholdt, da rede dinamarquesa TV 2, estava presente no último jogo do Irã na fase de grupos contra os Estados Unidos, que eles perderam por 1 a 0 e se despediram do torneio. Alguns apoiadores usavam camisetas com as palavras "mulheres, vida, liberdade" estampadas nelas.

Leia também:

Isso ocorre em meio a uma agitação em massa em seu país após a morte da mulher de 22 anos, Mahsa Amini, no início deste ano. Amini foi presa por usar seu hijab ilegalmente e mais tarde morreu sob custódia da polícia em circunstâncias suspeitas.

A população iraniana ficou dividida sobre a situação e os manifestantes entraram em confronto com apoiadores do governo no Estádio Al Thumama, em Doha, após o término da ação em campo.

O repórter documentou a situação usando a câmera de seu telefone, o que resultou no confronto de autoridades do Catar. No Twitter, ele escreveu: "Agora estou detido pela polícia do Catar por filmar iranianos que foram atacados por iranianos pró-governo".

Ele então postou uma atualização 13 minutos depois que dizia: "E agora liberado novamente depois que eles me pediram para deletar minhas fotos, o que eu recusei."

Tandholdt, 49, posteriormente publicou vídeos que ele gravou. Em um deles, um casal pode ser ouvido exclamando "Eles nos atacaram" antes que um membro da equipe de segurança tentasse impedi-lo de filmar.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O homem implorou para que o jornalista não os deixasse, pois temia por sua segurança, lamentando a falta de intervenção da polícia.

Em outro enviado pelo repórter, duas crianças foram vistas chorando após serem agredidas no tumulto. A segurança mais uma vez tentou bloquear sua câmera.