Renault não planeja colocar Alonso em treinos livres em 2020

Luke Smith
·3 minuto de leitura

A Renault anunciou nesta quarta-feira (08) que o bicampeão mundial Fernando Alonso retornará para a equipe no ano que vem, encerrando um período de dois anos do espanhol fora da Fórmula 1. Mas, mesmo com esse período sem andar com um F1, a Renault não planeja dar espaço a Alonso nos treinos livres dos GPs.

Alonso realizou sua última aparição em um Grande Prêmio no final de 2018 com a McLaren e desde então tem focado em eventos fora da F1, como Indy, WEC e Dakar.

Leia também:

Webber sai em defesa de Vettel após GP da Áustria: "Acredito que ele ainda tem algo a mostrar" F1: Alonso pode quebrar múltiplas marcas, caso volta seja bem-sucedida Após confirmação de Alonso, veja como está o grid de 2021 da F1

A presença mais recente de Alonso em um F1 aconteceu em um teste com a McLaren em abril de 2019, levando a sugestões de que a Renault poderia dar ao espanhol a chance de andar em alguns treinos livres durante a temporada para o ajudar a se preparar para 2021.

Mas o chefe da equipe Cyril Abiteboul disse que ainda não há planos para colocar Alonso no R.S.20 neste ano, mas afirmou que pode colocá-lo no carro de 2018, já que o regulamento da FIA permite testes sem limite de quilometragem com modelos de dois anos anteriores.

“Não acho que ele precise de treinos livres para se familiarizar com os procedimentos em um carro de corrida, ou em um carro de Fórmula 1”, disse Abiteboul. “Eu não acredito que ele precise disso. Esse não é o plano”.

“Vamos ver se há alguma oportunidade. Sempre temos a possibilidade de colocar ele em um carro de 2018”.

“Novamente, para ser (claro), não temos nenhum plano concreto. Mas não, no que diz respeito aos treinos livres, eu não acho que é um investimento necessário”.

Nas próximas semanas, Alonso deve focar nas preparações para sua terceira tentativa nas 500 Milhas de Indianápolis em agosto e é esperado que ele se apresente à Renault a partir de setembro.

Abiteboul está confiante de que a contratação de Alonso chegue como um impulso para o trabalho de todo o time da Renault, sendo que alguns deles chegaram a trabalhar com o espanhol quando ele conquistou seus títulos mundiais em 2005 e 2006.

“Ele chegará em algum momento em nossa fábrica para conhecer o time”, disse Abiteboul. “É uma ótima oportunidade para se adiantar em se familiarizar com o time, na maneira que estamos trabalhando”.

“Ele será um impulso para nossa equipe. Muitas das pessoas que entraram, em particular em Enstone, eram talvez estudantes ou estavam na escola quando Fernando ganhou seu primeiro título conosco”.

“Para eles conhecerem quem ele é e sua cultura de performance e vencedora, [essa] cultura vencedora é algo que pode vir de Fernando”.

“Vamos claramente tentar aproveitar a oportunidade do que podemos fazer pela equipe”.

'Declaração de guerra': veja como o GP da Áustria de F1 gerou uma briga entre Mercedes e Red Bull

PODCAST: Entrevista com Bruno Senna: a trajetória no automobilismo e histórias com tio Ayrton Senna

Your browser does not support the audio element.