Renato vê confiança abalada, mas acredita em recuperação na Liberta

Desde o início da temporada, o Santos deixou claro que tinha o planejamento de alcançar uma ‘gordura’ no Paulistão para entrar relaxado na Libertadores. Porém, nada saiu como o esperado. O Peixe hoje é apenas o terceiro colocado do grupo D do Estadual, vem sendo criticado pela torcida e estreará na competição continental sob pressão contra o Sporting Cristal, nesta quinta-feira, às 21h45 (de Brasília), no Peru.

Para o volante Renato, que esteve no banco de reservas na derrota para o Corinthians, no último sábado, e deve ser titular diante dos peruanos, a sequência ruim do alvinegro, que conseguiu apenas uma vitória em cinco jogos, tem abalado a confiança do elenco comandado pelo técnico Dorival Júnior.

“A gente faz autocrítica dentro do vestiário. Temos que ver o que está faltando para voltar a ter essa confiança. O ambiente é o mesmo. O nosso forte sempre foi esse. Essa confiança vai voltando quando os resultados acontecerem. Tivemos oscilações no Paulista, mas sabemos que o entrosamento ainda não é o ideal. Eu disputei minha primeira em 2003 e conseguimos o vice. Chegamos na final contra um time experiente, que era o Boca. Na Libertadores você tem que jogar com confiança. Naquele time o mais experiente era o Robert, mas foi um grupo q acreditou e chegou longe. Hoje a gente tem um grupo mais experiente, rodado, a ansiedade da estreia tem de ser controlada dentro de campo. O mais importante é a confiança”, explicou o camisa 8, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, no CT Rei Pelé.

O experiente volante, inclusive, treinou normalmente após o revés no clássico e será uma das novidades do Peixe contra o Sportins Cristal. Além dele, Lucas Lima e Ricardo Oliveira também participaram da atividade e devem jogar.

“Venho trabalhando há algum tempo. A parte com a bola foi só na semana passada. Foram três treinos antes da viagem contra o Corinthians. Ainda estava sentindo algumas dores no tendão. Foi o que me preocupou nesses últimos dias. Fiquei fora, mas não perdi a parte física. Estou à disposição do treinador. Sei que se cansar eu vou pedir para sair, mas vou até onde a perna aguentar”, concluiu Renato.