Renato Gaúcho analisa Lincoln: "Tem um futuro muito grande"

Renato Gaúcho, técnico e ídolo do Grêmio, vê em Lincoln uma excelente promessa para o futebol. O jovem, de 18 anos, faz parte do Goal NxGn, a lista de 50 maiores promessas do esporte, nascidos após 1º de janeiro de 1988 e faz o comandante lembrar-se do tempo em que tinha a idade do seu atleta.

"O Lincoln tem um futuro muito grande. Quando eu cheguei no Grêmio (como jogador), era aproveitado em alguns treinos, pegava experiência e descia de novo (para a base). Isso foi feito comigo na década de 1980. O Lincoln jogando lá (no grupo de transição) tem que pegar ritmo, experiência. Tem que saber apanhar, no bom sentido", afirmou o treinador durante entrevista coletiva.

"Não adianta pegar um jogador com 17 anos, deixar cinco meses sem jogar e depois colocá-lo no meio de uma partida. Ele vai pisar na bola. Então, a direção aceitou o que eu pedi. Vai jogar lá embaixo, apanhar e depois vai subir aos poucos", acrescentou ele.

Lincoln - Grêmio

(Foto: Fernando Martinez/Aguante/Divulgação)

"Quando cheguei aqui, no ano passado, o Lincoln tinha inúmeros defeitos. Ele continua com alguns, faz parte da idade. Falei para vocês que ele precisa jogar", analisou Renato.

"Temos corrigido bastante. Ele tem melhorado. Tem entrado bem. A gente cobra dele diariamente, mas não adianta colocar responsabilidade se as coisas não estão bem", continuou ele.

Renato Gaúcho vem sofrendo com lesões no início da temporada. Desde que Douglas teve séria lesão, Bolaños assumiu a vaga no meio-campo. Com a ida do equatoriano para jogos da sua seleção, Lincoln pode ganhar novas chances no meio-campo do Tricolor Gaúcho.

Renato Gaúcho treino Grêmio 20012017

(Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação)

"O tempo passa, ele precisa jogar e aprender a competir, mostrar a razão de estar no Grêmio. É um meia que ainda não conhece a posição, recua muito para buscar a bola nos volantes.  Não quero isso. Quero o Lincoln como o  Douglas, jogando do meio para a frente", apontou ele.

"Tem talento, precisa fazer gol e fazer o time jogar. Estou aqui para corrigir o jogador, mas não posso ficar o dia todo corrigindo. Tenho 35 jogadores, vou lapidando cada um. Provavelmente, ele  descerá para jogar, mas treinará aqui. É normal na idade dele. Vou lançá-lo aos poucos", concluiu ele.