Relógio ‘lendário’, que custa R$ 117 mil, deixará de ser produzido

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Um Nautilus da Patek Philippe. (Foto: Harold Cunningham/Getty Images)
Um Nautilus da Patek Philippe. (Foto: Harold Cunningham/Getty Images)

O universo dos colecionadores de relógio – e dos milionários e celebridades capazes de desembolsar dezenas de milhares de dólares por um contador de tempo de pulso – está em choque.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Tudo por conta da notícia de que um relógio icônico da lendária fabricante suíça Patek Philippe deixará de ser produzido. Trata-se do Nautilus 5711 1A-010, com corpo de aço e fundo azul marinho.

Leia também:

O Nautilus vinha sendo desfilado por celebridades como o cantor Drake, e tinha uma fila de espera de dez anos para candidatos a possuidores de um novo. Seu valor chegava a R$ 117 mil.

Mas por que a decisão de interromper a produção?

Possivelmente uma estratégia de “proteção” da marca para evitar a “diluição” de sua imagem, sempre associada a uma exclusividade extrema, e uma aversão aos holofotes exagerados do universo pop.

Agora, o Nautilus se tornará ainda mais raro – e valioso. Na internet, um modelo já era negociado a cerca de R$ 400 mil.

A Patek Philippe é considerada uma das melhores fabricantes de relógio do mundo, e se especializou na criação de peças extremamente delicadas, e de alguns dos mecanismos mais complexos do ramo.

Sua fundação ocorreu há quase 200 anos, em 1839, o que faz dela também uma das mais antigas empresas em operação no setor da relojoaria.

Entre seus usuários mais famosos estiveram rainhas inglesas e papas, além do ex-presidente americano assassinado John F. Kennedy, o físico Albert Einstein e o pintor Pablo Picasso.

As informações são de reportagem do portal de notícias UOL.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube