Relatórios da Força Nacional do SUS apontaram falta de oxigênio nos hospitais de Manaus antes do colapso

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
TOPSHOT - Relatives of patients infected with Covid-19 queue for long hours to refill their oxygen tanks at the Carboxi company in Manaus, Amazonas state, Brazil, on January 19, 2021. 21. - Under an overwhelming heat, dozens of people have been waiting for 12 hours to fill oxygen tanks and try to save the lives of their loved ones in Manaus, a Brazilian city plunged into chaos by the explosion of Covid-19 cases. (Photo by MARCIO JAMES / AFP) (Photo by MARCIO JAMES/AFP via Getty Images)
TOPSHOT - Relatives of patients infected with Covid-19 queue for long hours to refill their oxygen tanks at the Carboxi company in Manaus, Amazonas state, Brazil, on January 19, 2021. 21. - Under an overwhelming heat, dozens of people have been waiting for 12 hours to fill oxygen tanks and try to save the lives of their loved ones in Manaus, a Brazilian city plunged into chaos by the explosion of Covid-19 cases. (Photo by MARCIO JAMES / AFP) (Photo by MARCIO JAMES/AFP via Getty Images)

A Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) já havia detectado a falta de oxigênio em Manaus antes do colapso. O Ministério da Saúde foi avisado sobre a gravidade da crise do sistema de saúde pública na cidade por meio de relatórios produzidos entre os dias 8 e 11 de janeiro.

Os documentos elaborados por agentes do Ministério da Saúde e pelo ministro Eduardo Pazuello mostram a dificuldade que Manaus tem devido a uma pressurização do gás de produzir oxigênio.

Leia também

Em um trecho, os relatórios descrevem um problema em dar o atendimento correto aos pacientes por falta de equipamentos de saúde.

"Estão preferindo não medir a saturação dos pacientes na sala rosa 1, pois, ao medir, vários pacientes precisarão de oxigênio e não terão como suprir a demanda", aponta.

As unidades de saúde de Manaus estão lotadas após recorde de internações por covid e enfrentam falta de oxigênio suficiente para todos os pacientes. Mais de 100 pacientes já foram transferidos para outros estados até terça-feira (19).

Os relatórios também apontam uma mudança da pauta da discussão de um dia para falar sobre a falta de oxigênio na cidade, já no dia 8 de janeiro.

"Foi mudado o foco da reunião, pois foi relatado um colapso dos hospitais e a falta da rede de oxigênio", diz trecho do documento.

Ainda segundo os relatórios feitos pela Força Nacional do SUS, quando Eduardo Pazuello estava em Manaus, o ministério já sabia do colapso no sistema de saúde da cidade.

"Rede colapsada no município: rh ativo em exaustão nos hospitais, as alas clínicas com superlotação, fornecimento do oxigênio em reserva em todos os hospitais da rede", informa o documento.

O relatório também cita que médicos tiveram que escolher quais pacientes teriam atendimento adequando e quais receberiam atendimento paliativo.