Em relatório, Fifa registra prejuízo superior a R$ 1 bilhão em 2016

A Fifa divulgou, nesta sexta-feira, o relatório de finanças do ano de 2016 e registrou um prejuízo de 369 milhões de dólares (cerca de R$ 1,15 bilhões), explicado em grande parte pelos custos com processos em casos de corrupção, além da perda de receita com patrocinadores, que deixaram de investir na entidade justamente por causa dos escândalos de corrupção que foram revelados na instituição que comanda o futebol mundial.

O documento da Fifa aponta ainda investimentos danosos da gestão do ex-presidente Joseph Blatter, como o Museu do Futebol Mundial e o Hotel Ascot, em Zurique, como outros motivos para as perdas financeiras do último ano. Só a construção do museu, por exemplo, causou um prejuízo estimado em 50 milhões de dólares (R$ 156 milhões).

“O ano de 2016 foi o ponto de virada quando foi dado o primeiro e mais importante passo para restaurar a verdade na organização. Isso inclui a implementação de uma maneira responsável e transparente de gerenciamento de lucro e despesa. Estamos construindo uma sólida estrutura para garantir, através de supervisão e prestação de contas, que o futebol é o coração de tudo aquilo que nossa organização faz”, declarou o atual presidente da Fifa Gianni Infantino.

O cenário ruim deve persistir durante o ano de 2017, com a tendência de diminuição de receitas, conforme previsão da Fifa. A entidade espera uma retomada do crescimento financeiro a partir de 2018, contabilizando as estimativas de 1 bilhão de dólares (R$ 3,2 bilhões) de lucro com as receitas da Copa do Mundo da Rússia.