Reflexo da queda: Botafogo teve mais técnicos à beira do campo do que vitórias no Brasileirão

Sergio Santana
·1 minuto de leitura


Uma temporada recheada de recordes negativos. O 2020 acabou para o Botafogo após a derrota para o Ceará, na última quinta-feira, pela 38ª rodada do Campeonato Brasileiro. O clube de General Severiano, rebaixado na última posição, teve mais treinadores do que vitórias na competição.

Seja com técnicos definitivos ou interinos, o Botafogo teve sete comandantes à beira do gramado pelo Campeonato Brasileiro. Em contraponto, o Alvinegro teve apenas cinco vitórias, a pior marca do clube na era dos pontos corridos.

A média é de 0,71 vitória por treinador. Consequentemente, nem todos os comandantes que representaram o Botafogo na competição conseguiram um resultado positivo durante a respectiva passagem.

Neste sentido, o destaque foi Bruno Lazaroni, que comandou o Botafogo em dois triunfos, diante de Palmeiras e Sport - vale ressaltar que esta também foi a única sequência de vitórias consecutivas do Botafogo no Brasileirão. Paulo Autuori era o treinador no triunfo sobre o Atlético-MG, Eduardo Barroca diante do Coritiba e Lúcio Flávio no duelo contra o São Paulo.

Flávio Tênius, Emiliano Díaz e Felipe Lucena - todos que estiveram no gramado de forma interina e para preencher lacunas, vale ressaltar - saíram sem nenhum resultado positivo.

TÉCNICOS DO BOTAFOGO NO BRASILEIRÃO

- Paulo Autuori
- Bruno Lazaroni
- Flávio Tênius (interino)
- Emiliano Díaz (interino, Ramón Díaz estava afastado por licença médica)
​- Felipe Lucena (interino, quando Eduardo Barroca teve Covid-19)
- Eduardo Barroca
- Lúcio Flávio (interino)