Referência no combate à violência contra a mulher, Maria Consentino explica como as artes marciais podem ser úteis na prevenção

·2 min de leitura
Benefícios das artes marciais vão além do combate físico (Foto: Divulgação)


Quando se fala em artes marciais e defesa pessoal, logo vem à mente técnicas de combate que podem ser usadas para se defender em situações de perigo iminente. Entretanto, os benefícios vão além: aumento da autoconfiança e do autocontrole, na melhora do cárdio, dos reflexos e da flexibilidade.

Por esses motivos, a defesa pessoal pode ser considerada uma grande aliada no combate à violência contra a mulher. Isso porque a experiência no tatame dá o poder da autoconfiança. Com a autoestima elevada, ela consegue, muitas vezes, intimidar e, assim, impedir que o agressor pratique os atos. Claro que, em casos extremos, o conhecimento prático de técnicas marciais dá à vítima a chance de se defender.

Referência no combate à violência contra a mulher, a juíza aposentada Maria Consentino, que por anos foi titular no Juizado da Violência Doméstica e Familiar de Belo Horizonte, embora não seja uma especialista em artes marciais, identifica nas modalidades de combate pontos cruciais que podem ajudar a prevenir os casos.

"A mulher vítima de violência tem baixa autoestima. O relacionamento abusivo rouba a sua identidade. Paulatinamente, ela vai perdendo o brilho. Muitas nem se recordam quem eram, entram em depressão. Então, toda atividade que a torne mais forte, que resgate essa conexão da mulher com o seu próprio 'eu', é válida", destaca Consentino.

"O fato da mulher ter uma chance de se desvencilhar de um ataque é maravilhoso, mas não é a panaceia da violência contra a mulher. Eu destaco como importante a habilidade emocional que a arte marcial proporciona, pois pode fazer com que a mulher tenha seus alarmes acionados em situações de risco", completa.

No Brasil existem alguns programas públicos voltados a mulheres. No Rio de Janeiro, Um muito conhecido é o "Empoderadas", liderado pela ex-lutadora Erica Paes e apoiado pela Delegacia da Mulher, que diariamente reúne vítimas de violência para ensiná-las técnicas de defesa pessoal e fortalecê-las emocionalmente.

"Quando a atividade é em grupo, se torna ainda mais interessante, porque uma fortalece a outra e diversos tipos de casos são compartilhados, ligando o alerta de muitas mulheres e impedindo novos casos. Vale lembrar que a violência está presente em todas as camadas sociais e intelectuais da sociedade", aponta Maria Consentino.

"Abusadores estão por aí aos montes. O importante é a mulher estar fortalecida, segura de si e com os alarmes acionados. E, ratifico: Toda campanha que fortaleça a autoestima, individualidade e a conexão da mulher com seu 'eu' é bem-vinda. Pensem em quantos números de casos de violência a gente pode diminuir", sugere.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos