Red Bull pagará multa de US$ 7 milhões por violação de teto de gastos na Fórmula 1

Membros da Red Bull comemoram título de construtores da temporada 2022 da Fórmula 1 durante Grande Prêmio dos Estados Unidos

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - A Red Bull, equipe campeã da Fórmula 1 neste ano, foi multada em 7 milhões de dólares por violar um teto orçamentário na temporada passada e terá 10% menos tempo de túnel de vento no próximo ano, informou a FIA nesta sexta-feira.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) acrescentou em um comunicado antes do GP do México deste fim de semana que a decisão, aceita pela Red Bull, é final e não sujeita a recurso.

O resultado significa que os títulos da Red Bull estão seguros. A equipe venceu os campeonatos de pilotos de 2021 e 2022 com Max Verstappen, bem como a disputa de construtores deste ano, a primeira desde 2013.

A FIA disse que a equipe ultrapassou o limite em 1,864 milhão de libras (2,15 milhões de dólares), mas a quantia teria sido de 432.652 libras se eles tivessem aplicado corretamente um crédito fiscal nacional do Reino Unido, onde fica a sede da equipe.

A Fórmula 1 introduziu o teto no ano passado para conter os gastos desenfreados e nivelar o campo de jogo, com o total reduzido de 145 milhões para 140 milhões de dólares este ano. O valor deve chegar a 135 milhões de dólares na próxima temporada.

A FIA anunciou em 10 de outubro que a Red Bull teve um "pequeno excesso de gastos" e também cometeu uma "violação processual".

A Aston Martin, de propriedade do bilionário canadense Lawrence Stroll, também aceitou que cometeu uma violação processual e foi multada em 450 mil dólares.

"Não há acusação ou evidência de que a RBR tenha procurado agir de má-fé, desonestamente ou de maneira fraudulenta, nem ocultou intencionalmente qualquer informação da Cost Cap Administration", acrescentou a FIA.

(Reportagem de Alan Baldwin em Londres)