Rebaixamento faz Cruzeiro perder R$ 220 milhões. Orçamento ainda é o maior da Série B

Yahoo Esportes
Cruzeiro terá uma equipe bem mais modesta em 2020 (Jeferson Guareze/AGIF)
Cruzeiro terá uma equipe bem mais modesta em 2020 (Jeferson Guareze/AGIF)

“O Cruzeiro está quebrado, não tem dinheiro nem para pagar o cozinheiro”.

A frase do novo vice-presidente de futebol do clube mineiro, Pedro Lourenço, ilustra bem o que será os próximos meses da Raposa. O rebaixamento no Campeonato Brasileiro fez as receitas celestes despencarem. Se em 2019 o clube previa faturar pouco mais de R$ 300 milhões, a estimativa para o ano que vem é de arrecadar apenas R$ 80 milhões.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM
SIGA O YAHOO ESPORTES NO FLIPBOARD

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O número foi revelado por Vitório Mediolli, prefeito de Betim e novo CEO do Cruzeiro. Em entrevista à Rádio Super Notícia, o dirigente deixou claro que a temporada será de muitos sacrifícios para o clube e a meta principal é retornar logo à Série A do Brasileirão. Como comparação, atualmente a folha salarial é de R$ 15 milhões por mês, o que dá R$ 75 milhões a cada cinco meses. Esses valores são apenas do futebol, sem contar a parte administrativa.

Diante do novo cenário, o conselho gestor que tomou posse nessa segunda-feira, já tem um número definido para gastar com salários. A folha total do clube não pode passar de R$ 4 milhões no ano que vem, para que o Cruzeiro seja capaz de arcar com seus compromissos e ainda honrar futuros acordos para quitar as dívidas mais urgentes, como salários atrasados e impostos não recolhidos pela antiga diretoria.

Apesar da enorme queda de receita, o Cruzeiro entra para a Série B com o maior orçamento da competição. Se os R$ 80 milhões parecem pouco para o clube mineiro, que conviveu com balanços financeiros que passaram dos R$ 30 milhões nos últimos anos, o valor está muito acima da quantia que os futuros rivais terão à disposição. Nesse quesito, quem chega mais perto é o Vitória. A equipe de Salvador prevê um faturamento de R$ 52 milhões para 2020.

A terceira posição é do Avaí, também rebaixando no Brasileirão de 2019. O conselho deliberativo do clube catarinense aprovou um orçamento de R$ 39 milhões para o ano que vem. O América-MG completa o G-4, com R$ 30 milhões.

Destaque para a Ponte Preta, que deve ter um faturamento por volta de R$ 30 milhões. A equipe de Campinas apresentou um orçamento de R$ 64 milhões para 2020, mas estava previsto o acesso para a elite do futebol nacional, o que não aconteceu e significa uma enorme redução da projeção apresentada aos conselheiros, meses atrás. Com orçamentos que giram em torno de R$ 25 milhões, a Chapecoense e o Náutico completam a lista dos clubes mais endinheirados da Série B do Brasileirão.

Veja mais sobre futebol mineiro no Blog de Victor Martins

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também