Rayssa Leal conquista etapa de Chiba e estreia no pódio dos X-Games

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 18-09-2019: Retrato da Rayssa Leal, skatista de 11 anos que deve representar o Brasil na Olimpíada de Tóquio, na pista do Word Championshio no Pavilhão de exposições de Anhembi. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 18-09-2019: Retrato da Rayssa Leal, skatista de 11 anos que deve representar o Brasil na Olimpíada de Tóquio, na pista do Word Championshio no Pavilhão de exposições de Anhembi. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A primeira medalha de Rayssa Leal nos X-Games foi logo a dourada. Neste domingo (24), a skatista maranhense, de 14 anos, subiu no topo do pódio do street (estilo praticado em obstáculos de rua) feminino na etapa de Chiba (Japão) do tradicional evento de esportes radicais. O melhor resultado da Fadinha havia sido um quarto lugar, há três anos, em Mineápolis (Estados Unidos). As informações são da Agência Brasil.

Vice-campeã olímpica em Tóquio (Japão), no ano passado, Rayssa deixou a anfitriã Funa Nakayama (que foi bronze nos Jogos) na segunda colocação e a australiana Chloe Covell na terceira. As paulistas Pâmela Rosa e Gabriela Mazetto também chegaram à final do street, terminando, respectivamente, em sexto e em sétimo.

Entre os homens, o cearense Lucas Rabelo ficou na quarta colocação e o paulista Kelvin Hoefler (prata em Tóquio) acabou a final em sétimo. O pódio do street masculino foi 100% japonês, com Yuto Horigome, campeão olímpico, no topo, seguido por Daiki Ikeda e Sora Shirai.

Antes de Rayssa, quem se destacou na etapa de Chiba dos X-Games foi Gui Khury. O paranaense de apenas 13 anos e quatro meses, da seleção brasileira júnior, conquistou duas medalhas. Na sexta-feira (22) ele foi bronze na final do vertical (disputa realizada em uma pista com formato de "U"), tornando-se o mais jovem atleta a ir ao pódio nesta prova. Ele ficou atrás somente do norte-americano Jimmy Wilkins (ouro) e do japonês Moto Shibata (prata).

No sábado (23), Gui voltou ao pódio no vertical, desta vez na prova específica de melhor manobra. O garoto levou a prata, acertando um 1080º (que consiste em três giros completos no ar). Em 2021, aos 12 anos, ele conquistou o ouro com o mesmo movimento na etapa de Vista (EUA), sendo o primeiro a realizá-lo. Em Chiba, os norte-americanos Mitchie Brusco e Clay Kreiner ficaram em primeiro e terceiro, respectivamente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos