Rayssa Leal conquista o Mundial de skate: 'Quero sempre o primeiro lugar

Rayssa Leal of Brazil holds the trophy after winning the Street League Skateboarding, SLS, Super Crown Championship women's finals, at the Carioca Arena in Rio de Janeiro, Brazil, Sunday, Nov. 6, 2022. (AP Photo/Bruna Prado)
Rayssa Leal of Brazil holds the trophy after winning the Street League Skateboarding, SLS, Super Crown Championship women's finals, at the Carioca Arena in Rio de Janeiro, Brazil, Sunday, Nov. 6, 2022. (AP Photo/Bruna Prado)

Rayssa Leal foi o grande nome do skate em 2022. A jovem de apenas 14 anos venceu as quatro etapas da Street League de Skate (Jacksonville, Seattle e Las Vegas, nos EUA, e Rio de Janeiro). A última, aconteceu na manhã deste domingo, sendo a mais especial para a "Fadinha", por ser disputada nBrasil. Em entrevista ao LANCE!, ela desabafou sobre a emoção de vencer em seu país.

Com uma manobra espetacular em sua última tentativa, Rayssa Leal se tornou campeã mundial no Super Crown da Street League. Logo após a vitória, a Fadinha ficou extremamente comovida, o choro da jovem exemplificou a importância que a atleta deu ao torneio disputado no Rio.

"Estava muito nervosa. Porque eu sabia que se eu errasse (a manobra) ficaria em terceiro lugar, o que já era uma boa colocação, mas como falei, queria o primeiro lugar, vou querer sempre o primeiro e deu certo. Meu time passou muita confiança para mim, era uma manobra que eu tenho muito na base, minha mãe brinca dizendo que eu consigo "jogar" até uma árvore. E a torcida ajudou muito. (...) Carregar esse troféu, o título de campeã mundial, não tem preço, por isso estava tão emocionada" contou.

Durante a segunda volta de 45 segundos, a skatista acabou sentindo uma dor muito forte na região do abdômen que a impediu de completar o circuito. O lance assustou o público, mas ela conseguiu retornar para as manobras de tentativa única. Rayssa comentou "não saber" o que aconteceu.

- Eu não lembro. Talvez eu tenha respirado de mal jeito, porque eu não lembro, só começou a doer muito, mas deu tudo certo - afirmou.

Rayssa em todo momento mostrava a vontade de vencer no Brasil, a atleta destacou a atmosfera criada pelos compatriotas.

"É a melhor sensação do mundo (competir no Brasil). É uma torcida diferente de todas e estou feliz que aqui estava lotado. Desde pequena acompanho a Street League e hoje estou aqui sendo campeã mundial .

Com a próxima temporada chegando, a Fadinha preferiu manter os pés no chão. Não pensei ainda, mas eu quero continuar me divertindo, evoluindo, crescendo, daqui a pouco vou estar com 15 anos e minha mentalidade e maturidade vai mudar também - completou.