Raio-X: os pontos fracos de Flamengo e River Plate

Lima virou a capital do futebol, pelo menos nos próximos dias. É em clima de festa que a cidade recebe Flamengo e River Plate, que duelam pela cobiçada taça da Copa Libertadores da América que acontece neste sábado(23), no estádio Monumental, na capital peruana. 

Na primeira final única da história do torneio, um detalhe pode fazer toda a diferença, afinal, diferente das demais fases da Libertadores, com jogos de ida e volta, agora resta apenas uma oportunidade. Diante disso, a Goal analisou os pontos fracos de cada finalista que podem ser a chave para o vencedor. 

FLAMENGO

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Pablo Mari Gilberto Bahia Flamengo Brasileirão Série A 04082019
Pablo Mari Gilberto Bahia Flamengo Brasileirão Série A 04082019

(Foto: Felipe Oliveira / F.C Bahia / Divulgação)

Jogando um futebol vistoso, o Flamengo tem encantado o continente. Com o "jogo bonito", não abre mão da intensidade nem do ataque e é justamente aí que mora o perigo. O time Rubro-Negro explora bastante a "linha alta" e seus defensores jogam bem adiantados, quase que na marcação do meio-campo. 

Pablo Marí, por exemplo, tem ótima leitura de jogo e posicionamento, mas não é tão rápido e precisa de ajuda quando o contra-golpe adversário é bem veloz. Quando o adversário impõe uma transição rápida pelos lados do campo, acaba dificultando um pouco para o sistema defensivo Rubro-Negro. 

Outro fator que Jorge Jesus sempre chama à atenção da equipe é a concentração. Em alguns momentos, o time Rubro-Negro parece que desliga da partida ou não tem tanta maldade com o adversário. Foi assim no empate do com o Grêmio, pelo primeiro jogo da semifinal, quando sofreu um contra golpe rápido que poderia ter sido evitado se Everton Ribeiro tivesse colocado a bola para fora quando Filipe Luís se lesionou. 

No empate com o Goiás pelo Campeonato Brasileiro e o Flamengo e Vasco mais eletrizante dos últimos anos. O empate do time de Vanderlei Luxemburgo no finalzinho também ressaltou a falta de concentração da equipe nos minutos finais. 

RIVER PLATE

Pratto Fabra River Boca Fecha 5 Superliga 2019/20
Pratto Fabra River Boca Fecha 5 Superliga 2019/20

(Foto: Marcelo Endelli / Getty Images)

Atual campeão da Copa Libertadores da América, o River Plate chega na terceira final em cinco anos, o time de Gallardo conhece muito bem a competição. No entanto, assim como o Flamengo de Jorge Jesus, tem alguns pontos fracos. Um deles é a bola parada. O time argentino vem sofrendo com as bolas levantadas na área. 

Outro problema para o River Plate é que alguns jogadores importantes já não vivem grande fase e no banco há menos opções que o Flamengo. Lucas Pratto, por exemplo, não anota um gol desde maio, quando balançou as redes diante do Athlético-PR. Quintero também está longe de ser o jogador da última Libertadores e até mesmo Armani não vive seu melhor momento. 

Enzo Perez, importantíssimo para o esquema de Gallardo vem de uma lesão e não está 100% fisicamente. Nacho Fernandez e De La Cruz são os cérebros da equipe, quando estão bem marcados, o River Plate encontra dificuldades para chegar ao gol. 

Leia também