Rafael Carioca ressurge após críticas e recebe elogio de técnico do Atlético-MG

Rafael Carioca venceu a Copa do Brasil 2014 como um dos alicerces do meio de campo do Atlético-MG. Não é à toa que o clube adquiriu os direitos econômicos do volante. No entanto, chegou ao fim a lua de mel entre a torcida e o camisa 5, que foi convocado por Tite para defender a Seleção Brasileira no ano passado.

Na primeira sequência negativa do Galo em 2017, torcedores foram ao centro de treinamentos para cobrar alguns jogadores. Entre eles, estava o atleta de 27 anos.

Embora não tenha se encontrado com os atleticanos na entrada da Cidade do Galo, o meio-campista foi o nome mais citado nas conversas com aqueles que pararam. Luan, Maicosuel e Fred - trio que acenou de forma positiva para a abordagem do grupo que foi ao local - teve que escutar os pedidos de melhora ao companheiro.

Nessa quarta-feira (26), mesmo com boa exibição, Rafael Carioca foi vaiado por parte do público que compareceu ao estádio Independência para acompanhar a vitória por 2 a 0 sobre o Libertad, do Paraguai, pela Copa Libertadores da América.

Rafael Carioca Atlético-MG Libertad Libertadores 26042017

A série negativa, que incluiu derrotas para Cruzeiro, Caldense e até para o próprio Libertad, do Paraguai, além de um empate com a URT em pleno Mineirão, fez com que o atleta se tornasse alvo de críticas. Ao lado de Robinho e Fábio Santos, o meio-campista foi apontado como um dos culpados pelo desempenho abaixo do esperado.

Apesar das críticas recentes, Rafael Carioca recebeu elogios de Roger Machado ao término do jogo contra os paraguaios na noite dessa quarta, no Campo do Horto:

"Às vezes, o estilo do jogador não satisfaz a todos. Eu acho que, para falar das atuações do Carioca, a gente tem que procurar os números do jogo e o que um jogador desta função deve fazer. E realmente fazer uma comparação com outros jogadores do nível dele. Os números do Carioca são ótimos desde o começo do ano. Ele é sempre o maior ladrão de bolas do time e com números compatíveis com os grandes volantes lá de fora", afirmou o treinador do Atlético.

"O que incomoda aos outros, por vezes, é que ele não precisa, para roubar a bola, dar carrinho aos pés do seu marcador, porque ele faz isso com bom posicionamento, com antecipação, e além disso tem uma qualidade de passe que quase nenhum primeiro volante tem. Em outro momento alguém havia falando que o Rafael estava sofrendo críticas, e eu não entendia o porquê. Talvez pela forma dentro de campo, faz entender que ele é menos combativo que um primeiro volante habitual. Nesses dois últimos jogos, acho que ele esteve um passo acima, mas não acho que ele esteve abaixo nos jogos anteriores", acrescentou.