Racing Point ainda não tem data para retorno de Pérez: "Não sabemos se a quarentena é de sete ou dez dias"

Adam Cooper
·2 minuto de leitura

Após testar positivo para Covid-19 na quinta-feira, Sergio Pérez foi afastado do GP da Grã-Bretanha da Fórmula 1 e agora espera a conclusão de seu isolamento e um resultado negativo para poder retornar às atividades. A questão é quando isso vai acontecer, colocando uma dúvida sobre sua participação no GP dos 70 Anos.

Desde então, o mexicano está em isolamento junto de seu fisioterapeuta e um membro de sua equipe pessoal, que testaram negativo, porém estiveram em contato com o piloto. Os três viajaram ao México na semana após o GP da Hungria.

Leia também:

Red Bull defende parada de Verstappen no fim: "Não tínhamos garantia de que ele cruzaria a linha de chegada" F1: Pirelli lança "investigação completa" após falha dos pneus em Silverstone F1: Binotto deixa de ser diretor técnico da Ferrari após reestruturação e segue apenas como chefe de equipe

A situação de Pérez é complicada por uma mudança nas normas do Reino Unido, que aumentou o período de quarentena de sete para dez dias, que aconteceu entre o teste inconclusivo da quarta e o positivo da quinta, e que podem determinar se ele poderá ou não correr.

"Vamos seguir as normas do Sistema de Saúde do Reino Unido, temos que ver o que eles dirão", disse o chefe da Racing Point Otmar Szafnauer. "Não sabemos se a quarentena é de sete ou dez dias, há dados conflitantes, mas vamos receber as instruções corretas das autoridades".

"Mesmo que seja uma quarentena de sete dias, ele ainda precisa de um teste negativo para entrar novamente no paddock, seguindo o código de conduta da FIA, então vamos testá-lo na quinta, e se der positivo, não terá como entrar de qualquer jeito".

Szafnauer confirmou que o teste inconclusivo de quarta foi visto pelas autoridades britânicas como positivo.

"A confusão é que o teste estava no limite entre inconclusivo e negativo e ele foi visto como desse modo apenas pela FIA. Segundo as normas britânicas, ele seria considerado positivo e teria que fazer uma quarentena de sete dias. A norma de dez entrou em vigor apenas no dia seguinte. Não sabemos se é retroativa".

"Precisamos de uma resposta, não sei quando, mas Andy Stevenson [diretor esportivo] está em contato com eles e teremos a resposta logo. Só precisamos saber antes da sexta. Mas queremos fazer o certo e vamos seguir as instruções deles".

"Precisamos proteger nossa equipe e todos no esporte e é exatamente isso que vamos fazer".

PÓDIO: Hamilton vence com três rodas em GP da Grã-Bretanha maluco

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil e os ambientes de F1 favoritos de Reginaldo Leme

Your browser does not support the audio element.