Rachel Balkovec se torna a primeira mulher a treinar time da MLB

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Rachel Balkovec se tornou a primeira mulher a comandar um time ligado a MLB. Foto: New York Yankees/Getty Images
Rachel Balkovec se tornou a primeira mulher a comandar um time ligado a MLB. Foto: New York Yankees/Getty Images

O último final de semana marcou a estreia de Rachel Balkovec como treinadora principal do Tampa Tarpons, uma espécie de time B associado ao New York Yankees. Assim ela se tornou a primeira mulher a comandar uma equipe de beisebol em uma liga profissional filiada à MLB.

Balkovec, de 34 anos, tem uma longa carreira no esporte. Chegou a atuar como catcher em times de softbol das universidades de Creighton e New Mexico. A experiência a credenciou tanto que foi contratada em 2012, para um cargo temporário como treinadora de força e condicionamento para os times de base do St. Louis Cardinals, e acabou sendo efetivada no cargo.

Leia também:

Já em 2016, ela foi chamada pelo Houston Astros para ser a coordenadora de força e condicionamento latino-americana. Ali percebeu que precisava aprender o espanhol para se comunicar melhor com os atletas.

Ficou até 2018, quando foi convidada pelo Corpus Christi Hooks, time que também tinha ligação com os Astros.

Depois apostou em um mestrado que foi realizado na Holanda, onde trabalhou como assistente do técnico de rebatidas nos times de softbol e beisebol do país.

Ao voltar para seu país natal, foi contratada pela Driveline Baseball, empresa focada em estatísticas que trabalha presta serviço para diversos atletas.

Foi ali que ela chamou a atenção do New York Yankees que a convidou para trabalhar com os times das minor leagues, tornando-se a primeira mulher a ser técnica de rebatidas em tempo integral.

Ao chegar a um dos times mais tradicionais da liga, ela falou sobre suas conquistas em entrevista para a MLB.com: “Não sou a primeira mulher a ter uma posição no beisebol, mas sei que isso é um pouco diferente. Sou um produto das mulheres que vieram antes de mim no esporte. Se alguém pensa que sou uma pioneira, ótimo, porque espero que isso esteja criando uma oportunidade de pensar que isso é possível para [outras]”, comentou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos