Rússia dá primeira passo para recorrer de exclusão do esporte mundial

Por Antoine LAMBROSCHINI y Thibaut MARCHAND
AFP
Cronologia do escândalo de doping na Rússia
Cronologia do escândalo de doping na Rússia

A Agência Russa Antidoping (Rusada) anunciou nesta quinta-feira sua intenção de recorrer da exclusão do país das competições esportivas por manipulação de dados, uma punição chamada de "injusta" pelo presidente Vladimir Putin.

Formalmente, o Conselho de Vigilância da Rusada emitiu uma recomendação para recorrer destas medidas, que será apresentada a sua assembleia geral até o fim do mês. Em seguida, será repassada à Agência Mundial Antidoping (Wada) para que a entidade a transmita ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS).

"Decidimos não acatar a decisão da Wada", informou o presidente do Conselho de Vigilância da Rusada, Alexander Ivlev. "Acreditamos que nossos argumentos são suficientemente fortes, mas não darei um prognóstico" sobre as chances da Rússia no TAS, completou.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A Rússia se viu proibida pela Wada de participar nos próximos quatro anos dos principais eventos internacionais, especialmente os Jogos Olímpicos de 2020 e 2022 e a Copa do Mundo do Catar-2022 de futebol. O país é acusado de ter manipulado os dados de amostras antidoping enviadas à Wada.

A exclusão da Rússia estabelece que somente atletas russos selecionados poderão competir, mas sob bandeira neutra e sem poder ouvir o hino nacional em caso de medalha.

Questionado nesta quinta-feira sobre o tema, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que seu país deveria poder participar em competições esportivas sob as cores da bandeira nacional, já que a Wada não tinha "nenhuma acusação concreta" contra o Comitê Olímpico russo, somente contra a Rusada.

O mandatário denunciou sanções "injustas", ilegais" e "desprovidas de bom senso" contra a Rússia.

- Política de prestígio -

A dureza das sanções se deve ao fato da Wada considerar que a Rússia "manipulou" os dados do laboratório antidoping de Moscou, escrevendo uma nova página no escândalo que começou com a revelação em 2015 de um esquema de doping estatal praticado desde 2011 e que envolvia altos dirigentes, agentes secretos e amostras de urina adulteradas.

Indo contra o governo russo e o Conselho de Vigilância, o diretor da Rusada, Yuri Ganus, colocou a culpa pelos escândalos nas autoridades russas e pediu a Putin uma grande limpeza para acabar com os trapaceiros no esporte.

Na Rússia, o esporte segue sendo uma ferramenta política, já que Putin apostou na organização de grandes competições internacionais para aumentar o prestígio de seu país, sediando os Jogos Olímpicos de inverno em Sochi (2014), os Mundiais de atletismo (2013), de natação (2015) e de hóquei no gelo (2016) e a Copa do Mundo de futebol (2018).

Para os atletas, a exclusão da Rússia é vista como uma nova catástrofe. Muitos criticaram um rigor excessivo por parte da Wada, embora outros acreditam que a culpa é do governo russo, como a tricampeão do mundo no salto em altura Maria Lasitskene.

Leia também