Réver supera lesões, dá a volta por cima e tem chance de liderar o Fla na Libertadores

Nos últimos anos o Flamengo viveu uma crise a respeito da faixa de capitão. Os últimos que a usaram tinham a sua liderança constantemente questionada e não agradavam boa parte da torcida.

Mas não era só a faixa um problema no time Rubro-Negro, a zaga também preocupava os torcedores que não confiavam nos atletas que formavam o setor defensivo. 

Tudo isso foi resolvido com a chegada de Réver, o jogador que deixou o Internacional para defender o Flamengo, por empréstimo, rapidamente ganhou a posição não só de zagueiro mas também de líder do grupo.

Réver


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

Sua qualidade técnica nunca foi contestada, o problema eram as condições físicas já que no time Colorado o zagueiro não conseguiu uma sequência livre das lesões.

Réver chegou sob forte desconfiança no Flamengo, mas não teve nem tempo de sentir a pressão. Logo em seu primeiro jogo, contra o Cruzeiro no Mineirão, o zagueiro mostrou toda a sua eficiência e ainda marcou um gol garantindo a vitória Rubro-Negra.

Desde então não saiu mais do time e foi ganhando espaço e liderança. Recebeu a faixa das mãos do técnico Zé Ricardo e voltou a ser um dos melhores zagueiros do país. Entrou na seleção do Campeonato Brasileiro, recebeu o prêmio Bola de Prata da ESPN/Placar, fato que não acontecia com um zagueiro do Flamengo desde 1997 e também conquistou o Prêmio Goal Brasil.

Réver Flamengo Prêmio Goal Brasil 2016 07 12 16


(Foto: Rodrigo Calvozzo / Goal Brasil)

Depois do bom ano de 2016,  Réver volta a Libertadores, o jogador levantou o troféu como capitão do Atlético Mineiro na conquista de 2013, agora, com a missão de liderar o Flamengo.

Ronaldinho Réver Atlético-MG Lanús Recopa Sul-americana Campeão Taça 23072014


(Foto: Bruno Cantini / Atlético-MG / Divulgação) 

Pelo menos até junho, quando seu contrato de empréstimo com o Rubro-Negro termina. Réver ainda tem uma possível renovação indefinida, o Flamengo tenta sua contratação indefinitivo mas ainda não teve uma resposta do Internacional.

Mesmo assim, a diretoria acredita que não terá maiores problemas para adquirir o jogador em definitivo. Aos 32 anos, o capitão Rubro-Negra terá a chance de, mais uma vez, fazer história.