Quique Setién: 50 dias em um Barcelona que ainda não tem sua cara

Goal.com

Já se passaram 50 dias desde que Quique Setién assumiu o Barcelona, substituindo Ernesto Valverde, e a equipe ainda não deu mostras sobre nenhuma grande mudança nesse período. No último jogo, as únicas novidades, de alguma forma, foram as presenças de Umtiti e Arthur entre os titulares da equipe. 

Durante seus primeiros dias no comando da equipe, o treinador deu falsas esperanças aos torcedores. Diante de especulações sobre uma possível preguiça dos jogadores, ele dobrou as horas de trabalho durante as primeiras semanas e até ousou mudar o esquema tático da equipe. Começou com o clássico 4-3-3, mas já contra Ibiza e valência adotou três atacantes em dois sistemas distintos, mas o experimento não deu muito certo.

Então, as lesões de Ousmane Dembélé e Luis Suárez fizeram com que o comandante desistisse da ideia de jogar com três jogadores no ataque. Além disso, Griezmann, em má fase, participa cada vez menos das partidas, Frank de Jong está cada vez mais perdido dentro do esquema e até Vidal teve que se reinventar jogando como ponta esquerda.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Quique ainda destacou que essa nova posição do chileno agrega muitas coisas à equipe, exatamente o mesmo que Ernesto Valverde, ex-treinador da equipe, dizia, limitando as variantes do 4-3-3 que utilizava, o que acontece hoje com o 4-4-2 de Setién.

Toni Kroos Arturo Vidal Real Madrid Barcelona 010320
Toni Kroos Arturo Vidal Real Madrid Barcelona 010320
Foto: Getty

Da mesma forma, o treinador espanhol começou a dar mais espaço aos jovens jogadores e até colocou Riqui Puig entre os titulares. Mas, recentemente, o meia deixou de treinar com o time A do Barça e, consequentemente, deixou de aparecer entre os relacionados. Quando questionados, Valverde e Luis Henrique já diziam que era difícil aproveitar muitos jovens no clube. Porém, desta vez, ainda existe o acréscimo de que nem Ansu Fati está tendo espaço no time.

O fato é que, devido à pressão gigantesca por vitórias, aliada às lesões que enfraqueceram a equipe e ao planejamento discutível da diretoria, Setién teve de adaptar suas ideias de jogo para retornar a um esquema muito parecido com o que se encontrava na equipe em sua chegada, à mercê da inspiração de um Messi que não é capaz de resolver tudo.

No total, o Barcelona de Setién perdeu a liderança do espanhol no El Clássico, caiu nas quarta de final da Copa do Rei e empatou com o Napoli, por 1x1, no primeiro jogo das oitavas de final da Champions League. Ainda, soma sete vitórias, um empate e três derrotas, acumulando 21 gols marcados e 11 sofridos.

Seus 63% de aproveitamento são pouco superiores aos 61% de Valverde. Contudo, há um agravante. Sua equipe marca menos gols por jogo, apenas 1,9, e sofre praticamente a mesma quantidade de antes, em torno de um gol por partida. Ou seja, se há melhora, ela é mínima. É evidente que 50 dias após a troca de treinadores, o Barcelona segue sem dar uma resposta significativa.

Leia também