Quem é o japonês que tirou de Medina a chance de ir à final do surfe das Olimpíadas

·2 minuto de leitura

MACEIÓ, AL (FOLHAPRESS) - Ao remar para a onda que lhe colocaria na final do primeiro torneio olímpico da história do surfe, no Japão, o japonês Kanoa Igarashi deu mais um passo na realização do sonho de seu pai Tsutomu "Tom". Ele venceu o brasileiro Gabriel Medina, favorito, por uma diferença pequena, nesta terça-feira (27): 17 a 16,76.

Igarashi já tinha o seu desenho de vida desde que seus pais descobriram a gravidez. Tom surfava no Japão e era muito fã do esporte. Por conta disso, decidiu que deveria ir à Califórnia -onde Kanoa nasceu- para que o filho pudesse surfar ondas de qualidade.

"Nós treinamos para fazer manobras assim em campeonatos. Eu senti muita pressão, mas decidi que era o momento. Foi um dos momentos mais felizes da minha carreira no surfe", disse Kanoa, após a prova.

Os japoneses chegaram aos Estados Unidos falando mal o inglês e se estabeleceram em Huntington Beach. Era difícil pagar as contas, mas o investimento em tornar Igarashi um surfista ganhou contornos de obrigação quando o menino ainda tinha três anos de idade. A pressão era tanta que ele já entrava no mar antes mesmo de ir à escola, perto das 5h.

O esforço já se concretizava quando Igarashi ganhou o primeiro troféu da vida, aos sete anos. A profissionalização veio em 2016, aos 18 anos. Ele se tornou o primeiro representante do Japão na WSL, a Liga Mundial de Surfe. Três anos depois, quando Italo Ferreira foi campeão e Medina vice, Kanoa conquistou o seu melhor resultado, um sexto lugar.

Com dupla cidadania, ele decidiu que defenderia o Japão no circuito mundial e nas Olimpíadas. Desde o começo da competição olímpica, era considerado a grande chance de medalha do país na modalidade. Uma medalha garantida na manobra decisiva contra Medina.

Foi um triunfo suado. O brasileiro começou à frente, abrindo vantagem e cadenciando o ritmo para manter a prioridade que tinha. A estratégia deu errado porque Igarashi continuou a pegar o máximo de ondas possível. Faltando sete minutos, acertou um áereo que lhe garantiu a nota de 9,33, a maior da competição até a decisão.

Derrotado pelo atleta da casa, Medina teve de se conformar em disputar o bronze.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos