'Queixo de vidro' e 'equilibrista sem rede': empate com Alemanha acende alerta na imprensa da Espanha

Depois da euforia na estreia com a goleada sobre a Costa Rica, a seleção da Espanha deixou uma pulga atrás da orelha na imprensa de seu país com o empate diante da Alemanha, neste domingo, por 1 a 1. Embora os principais diários esportivos espanhóis tenham destacado que a "Fúria" precisa apenas de um ponto na última rodada para avançar às oitavas de final da Copa do Mundo do Catar, a forma como a vitória escapou das mãos contra os alemães acendeu um sinal de alerta.

Tabela da Copa: Veja datas, horários e resultados de todos os jogos do Mundial

Simulador do GLOBO: Decida quem avança em cada fase da Copa do Mundo

Copa, cabelo e bigode: Você reconhece os jogadores apenas pelo visual? Faça o teste

Os jornais de Madri foram os que trouxeram mais ressalvas à atuação da Espanha nesta segunda rodada. O diário esportivo "As" analisou o resultado usando a expressão "mandíbula de cristal", equivalente ao jargão "queixo de vidro" usado no boxe no Brasil, para apontar "o problema que a Espanha vai ter em toda a competição". A expressão caracteriza lutadores que pouco aguentam ser golpeados, e que sucumbem facilmente quando são atacados.

Uma crônica sobre o jogo publicada pelo diário esportivo Marca classificou a seleção espanhola como um "equilibrista sem rede", analogia para apontar que a equipe tende a correr riscos. Ao afirmar que a Espanha é "uma equipe que joga na corda bamba, que sempre propõe (o jogo)", o jornal madrilenho ponderou que "o cemitério está cheio de valentes", mas concluiu que "não há nada mais bonito do que jogar como faz a Espanha".

Já o diário catalão "Sport" avaliou que a Espanha "aprendeu a sofrer" na partida contra a Alemanha, depois de uma goleada tranquila sobre a Costa Rica, por 7 a 0, na estreia da Copa do Mundo.

Embora os espanhóis tenham dominado as ações, terminando o jogo com 65% de posse de bola, e tenham criado boas oportunidades de gol nos dois tempos, a Alemanha conseguiu o empate na reta final do jogo e teve grande chance para obter a virada nos acréscimos, em arrancada do ponta Sané cara a cara com o goleiro Unai Simón. O atacante alemão, no entanto, tentou driblar o goleiro e ficou sem ângulo para o chute.