Quartararo estreia protótipo de motor 2020 em Jerez: “Foi difícil entender”

Redação GP

Fabio Quartararo aproveitou o primeiro dia de testes da MotoGP em Jerez para testar o novo protótipo de motor para a YZR-M1 da Yamaha. E, mesmo com o segundo melhor tempo em Jerez, o #20 acredita que ainda tem muito para fazer.

O piloto da SIC destacou que precisa de tempo para se adaptar ao novo propulsor, já que sente que não está tão suave quanto foi ao longo do ano.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Fabio Quartararo (Foto: SIC)


Paddockast #43

QUAL FOI O MELHOR GP DO BRASIL QUE VOCÊ ASSISTIU?


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM






“Nós rodamos na maior parte do dia com o novo motor. Foi realmente difícil entender, porque fizemos todo o ano com a mesma moto e aí, quando você recebe um novo motor, você precisa trabalhar em coisas como eletrônica e esse foi o plano principal de hoje”, disse Quartararo. “Amanhã vai ser a mesma coisa, tentando conseguir uma sensação melhor e, claro, antes de mais nada, é importante termos uma base. Não estamos exatamente confortáveis como com a moto do ano passado. Agora o ritmo é bom, mas não sou tão suave quanto antes”, seguiu.

“Foi a primeira vez que testamos esse novo motor protótipo e, claro, nunca é fácil ser rápido quando você tem coisas novas na moto. Foi mais para entender”, justificou.

0s754 mais lento que o líder Maverick Viñales no primeiro dia em Jerez, Quartararo reconheceu que o atraso é grande, mas creditou a diferença à inexperiência com o novo motor.

“Ele já fez dois dias de testes em Valência com a nova moto, e nós sabemos que Maverick é um piloto realmente rápido. Além disso, nós nunca fizemos uma saída realmente forçando por duas voltas como normalmente fazemos quando estamos no topo da tabela”, explicou. “Quando colocamos o pneu novo, teve a bandeira vermelha, então o pneu já tinha duas voltas. Aí saímos outra vez e estava chovendo. Aí fui para a pista uma terceira vez e fiz o tempo, mas cada vez que você entra e sai, os pneus desgastam”, comentou.

“Mas fizemos um ritmo muito bom com os pneus usados. Acho que, com 30 voltas nos pneus, fiquei a um ou dois décimos da minha melhor volta. Acho que isso é realmente positivo, também para a nossa moto”, concluiu.


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo


O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.


Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.






Leia também