Quando Cristiano Ronaldo ficou três anos sem chegar a dez gols

Goal.com

Cristiano Ronaldo, o craque português que tem 725 gols na carreira. De 2010 para cá, ele se tornou uma lenda, o homem dos recordes,  o atleta perfeito e, acima de tudo, um atacante mortal.

Mas nem sempre foi assim. Na época de Sporting Lisboa ele era o clássico jogador talentoso mas confuso, que tinha dificuldades com o nervosismo. 

Cristiano Ronaldo Sir Alex Ferguson
Cristiano Ronaldo Sir Alex Ferguson
Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Foto: Getty Images

Foi Sir Alex Ferguson, no Manchester United, que mudou completamente a carreira de CR7. Ele chegou ao United em 2003, com apenas 18 anos de idade. Já no primeiro dia de treinos foi capaz de conquistar tudo - ou quase, como contou seu ex-companheiro de equipe do United, Eddie Johnson.

"Acho que todo mundo tinha algo a dizer sobre a maneira como ele segurava a bola e a cruzava. Mas Ruud estava acostumado a Beckham ou Giggs e reclamou o dia todo".

Mesmo que hoje pareça impossível, já reclamaram de Cristiano Ronaldo. Muito porque ele acabou sendo "adotado" por Ferguson, que se tornou o pai que ele nunca teve.

Sir Alex imediatamente deu a ele o número 7, a camisa de Beckham. “Ferguson mostrou imediatamente o que pensava do garoto Ronaldo, dando a ele o número 7, que é icônico para o United. O mais importante, no entanto, foi a capacidade de reconhecer suas fraquezas ", disse Tony Coton, então goleiro do United.

A primeira temporada nos Reds terminou com apenas quatro gols na Premier League, a segunda com cinco e a terceira com nove.

  • Três temporadas consecutivas sem entrar em dois dígitos

  • 18 gols totais nos primeiros três anos da Premier

  • Zero gols na fase de grupos da Liga dos Campeões, por três edições consecutivas

Para deixar claro, estamos falando do jogador que mais marcou gols em uma única edição da Liga dos Campeões e também do que marcou mais gols na fase de grupos.

É verdade que ele tinha apenas 20 anos, mas podemos ver Mbappé e Haaland, que já mostraram muitas coisas até mesmo antes disso. E é por isso que Ronaldo sofreu a repreensões de Ferguson. Mas foi assim que ele aprendeu como deveria e como não deveria jogar.

"Ajudamos Ronaldo a se tornar o jogador que ele é e ele nos ajudou a recuperar a personalidade que caracteriza o Manchester United", disse Sir Alex em sua biografia. Demorou três anos, mas valeu a pena.

A partir da temporada 2006/07, Ronaldo começou a marcar com uma regularidade assustadora. Ele apareceu pela primeira vez no pódio do Ballon d'Or, terminando em segundo lugar. Em 2008 ele venceu, no mesmo ano em que teve triunfo na Liga dos Campeões.

O resto todo mundo sabe. Cristiano Ronaldo nunca terminou uma temporada sem chegar a dois dígitos. Primeiro 20, depois 30, depois 40 e 50 e as metas se tornaram normais para ele. Uma normalidade incrível.

Esses três anos no Manchester United serviram como uma escola. Entre os golpes de seus companheiros de equipe, os de seus oponentes e os gritos de Ferguson, ele se formou e se aprimorou, principalmente nos gols. 

Leia também