Qatar busca colher frutos de investimento no futebol em estreia na Copa

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Além de sede da Copa do Mundo de 2022, o Qatar se prepara para fazer sua primeira participação no mundial da Fifa. A seleção qatari entra em campo neste sábado contra o Equador, às 13h (de Brasília), no Al Bayt Stadium, em Al Khor, na rodada de estreia do Grupo A.

Está edição da Copa do Mundo será a primeira disputada no Oriente Médio e contará com a participação de sete das oito seleções que já levantaram a taça. O torneio será disputado fora do seu período habitual por causa do calor que faz no país-sede no meio do ano, o auge do verão no Hemisfério Norte. Por isso, começará neste domingo e tem a final marcada para 18 de dezembro.

Sob comando do espanhol Félix Sanchez, a seleção qatari busca impressionar o mundo e colher os frutos de um investimento pesado no futebol -entre eles, o reforço de um jogador que, no passado, chegou a jurar que "nem por todo dinheiro do mundo" aceitaria defender a seleção do Oriente Médio.

Nome certo na escalação da equipe que jogará neste domingo, o zagueiro Boualem Khoukhi nasceu na Argélia, mas construiu toda sua carreira no país-sede da nova edição do torneio de futebol mais importante do planeta.

Não se sabe se o zagueiro recebeu algum prêmio em dinheiro (ou outros tipos de bonificação) para se tornar jogador do Qatar, mas essa prática é relativamente comum em seleções de países endinheirados e pouco expressivos no cenário internacional do futebol que buscam melhorar sua equipe por meio de naturalização de atletas.

E o que não falta no time anfitrião do Mundial de 2022 são jogadores nascidos fora do Qatar.

Além de Khouki, outros nove atletas convocados pelo técnico espanhol Félix Sánchez não são naturais do minúsculo país de menos de 3 milhões habitantes. A lista tem gente de Portugal, Iraque, Sudão, França, Gana e Egito.

A naturalização de jogadores estrangeiros é uma política de estado no Qatar desde que a nação resolveu investir pesado na evolução do seu futebol.

O país possui uma academia de formação de atletas chamada Aspire, que realiza peneiras em vários cantos do planeta para garimpar garotos talentosos e levá-los para treinar no Oriente Médio.

Oficialmente, o programa é apenas uma forma de ajudar quem "não recebe as oportunidades que deveria em suas nações de origem". Na prática, trata-se de uma fábrica de esportistas aptos a defender no futuro as cores do Qatar, não importando se eles são nativos ou não.

Só neste século, seis jogadores nascidos no Brasil defenderam a seleção qatari: Emerson Sheik, Montezine, Cláudio, Marcone, Rodrigo Tabata e Luiz Ceará. Nenhum deles possuía raízes familiares por lá, ou seja, foram todos naturalizados por causa do futebol. Nenhum deles permaneceu no país até o Mundial.

Neste domingo, a seleção do Qatar deve entrar pela primeira vez em campo pelo Mundial com: Al-Sheeb; Mohammed, Boualem Khoukhi, Al-Rawi, Salman e Hassan; Al-Haydos, Boudiaf e Hatem (Pedro Miguel); Afif e Ali.

O Equador, por sua vez, se classificou em quarto para o Copa, atrás apenas de Brasil, Argentina e Uruguai. Em entrevista ao site da Fifa, o técnico Gustavo Alfaro -que disputará sua primeira Copa no comando da seleção-, deixou claro que as ambições são grandes: “Eu digo aos meus jogadores que não vou competir. Vou ganhar. Como diria [o uruguaio] Obdulio Varela: cumprimos se ganhamos".

A seleção teve que superar também a polêmica envolvendo o defensor Byron Castillo. O Chile acusou o jogador de usar documentos falsos para mentir a nacionalidade, em imbróglio levado ao Tribunal Arbitral do Esporte -enquanto isso, o próprio jogador ficou de fora da lista de convocados.

Neste domingo, uma provável escalação inicial do Equador tem: Dominguez; Preciado, Torres, Hincapie, Estupinan; Gruezo, Caicedo, Alan Franco (Arboleda ou Cifuentes); Plata, Enner Valencia (Michael Estrada) e Ibarra.

Estádio: Al Bayt, em Al Khor (Qatar)

Horário: Às 13h (de Brasília) deste domingo (20)

Árbitro: Daniele Orsato (Itália)

VAR:Massimiliano Irrati (Itália)

Transmissão: Globo, SporTV, Globoplay e youTube (CazéTV)