Qatar é Copa do adeus para aqueles que dominaram o futebol nos últimos 20 anos

DOHA, QATAR (FOLHAPRESS) - Os únicos quatro jogadores em atividade que foram eleitos melhores do mundo pela Fifa devem disputar, em 2022, a Copa do Mundo pela última vez. Se o torneio em si já não apresentasse atrativos esportivos suficientes, terá também o adeus de Lionel Messi, Cristiano Ronaldo, Luka Modric e Robert Lewandowski.

Desde 2007, quando Kaká venceu a premiação da Fifa de melhor da temporada, o troféu foi dominado por este quarteto. Messi, 35, venceu em 2009, 2010, 2011, 2012, 2015 e 2019. Cristiano Ronaldo, 37, acabou escolhido em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017. Na esteira do vice mundial da Croácia na Rússia, Modric, 37, foi o melhor em 2018. Lewandowski, eleito em 2020 e 2021.

Poderia ser dito o mesmo sobre Benzema, 34, favorito neste ano, mas ele vai desfalcar a seleção francesa por causa de lesão na coxa.

O primeiro deles a entrar em campo será Messi. Nesta terça-feira (22), a Argentina enfrenta a Arábia Saudita.

"Estou contando os dias para o Mundial. Existe um pouco de ansiedade e nervosismo ao mesmo tempo. É o último. Não vejo a hora que chegue, e, por outro lado, está o receio de querer que tudo corra bem", disse o craque argentino no mês passado, antes do embarque da delegação para o Qatar.

Ele e Cristiano Ronaldo disputaram o torneio pela primeira vez em 2006. Foi a melhor campanha do português, que, naquele ano, chegou à semifinal. Messi se aproximou de levantar o troféu em 2014, no Brasil. A Argentina foi derrotada pela Alemanha na final.

Ronaldo não anunciou que este é seu último Mundial, mas afirmou que se aposentará da seleção em caso de título. Antes, havia afirmado que ainda atuaria na Eurocopa de 2024.

O português terá 41 anos quando se iniciar a competição de 2026, a ser sediada por Estados Unidos, Canadá e México. Nas últimas temporadas, teve queda de desempenho e não é nem sequer titular no Manchester United, da Inglaterra. Deve sair do clube em janeiro.

Maior referência do futebol polonês, Lewandowski afirmou ter se preparado para ir ao Oriente Médio com o pensamento de que será sua derradeira Copa do Mundo. Mas deixou aberta a possibilidade de, quem sabe, repensar o assunto.

"Se eu perceber que posso jogar [em alto nível] por mais quatro anos....", deixou no ar.

Para outros, é uma decisão bem mais fácil.

"Estou consciente de que estou em uma idade em que esta tem de ser minha última competição pela seleção", reconheceu Luka Modric. Quando se aproximar o próximo Mundial, o armador terá 41 anos, como Ronaldo. Especialmente na função que desempenha, no meio-campo, é difícil se manter no nível que ele atingiu com as camisas do Real Madrid e da Croácia.

Eles não são os únicos. Jogadores que conquistaram títulos importantes no futebol europeu, campeões da Champions League e também vencedores da Copa do Mundo devem se despedir do Mundial neste ano.

Manuel Neuer joga em uma posição em que os jogadores podem atuar até idade mais avançada. Mas o capitão da Alemanha terá 40 anos em 2026. O atacante Luís Suárez, hoje com 35, já não é o mesmo goleador das três Copas anteriores. O zagueiro brasileiro Thiago Silva, 38, terá a última chance de ganhar o troféu mais importante do futebol.

Há outros astros do futebol mundial que sinalizaram o adeus, mas as declarações podem não ser vistas como definitivas por causa da idade.

"Acho que 2022 é a minha última Copa do Mundo", considerou Neymar no ano passado.

Foi uma afirmação que causou estranheza, feita pelo atacante de 30 anos. Mas ele não foi o único a fazer isso. O meia belga Kevin De Bruyne, 31, tomou o mesmo caminho.

"Eu estou com 31, e as demandas do futebol são cada vez maiores. Não sei como vou estar daqui a quatro anos", admitiu.