PVC critica constante troca de técnicos no Botafogo: 'Média de permanência é cinco jogos'

LANCE!
·1 minuto de leitura


O botafogo comunicou nesta sexta-feira a demissão de Ramón Díaz e sua comissão técnica, e anunciou o retorno do treinador Eduardo Barroca. A troca constantes de técnicos e a falta de planejamento foi questionada por Paulo Vinícius Coelho. PVC citou que o curto tempo de trabalho dos comandantes do Alvinegro em 2020 atrapalha o clube.

> Veja a classificação do Campeonato Brasileiro

- Alberto Valentim: cinco jogos neste ano. Se teve apenas cinco jogos, é porque não estavam convicto com ele quando começou o ano. Aí você tirou o Autuori com 23 jogos, que só ficou, mesmo com algumas boas partidas, porque é o Autuori. Ai você tem Bruno Lazaroni efetivado com oito jogos. Se você somar três dos quatro treinadores, dá 16 jogos (Valentim-5j, Lazaroni-8j e Díaz-3j). Como um clube está querendo se manter, sendo que a média de permanência de um técnico é de cinco jogos? Não é possível, é triste demais - disse PVC durante o programa "Seleção SporTV".

Neste ano, o Alvinegro teve sob comando Alberto Valentim, Paulo Autuori, Bruno Lazaroni, Flávio Tenius (interinamente), Ramón Díaz e, agora, Eduardo Barroca.

O botafogo desligou Ramón Díaz e sua comissão por conta do quadro de saúde do treinador, que só teria alta de uma cirurgia no dia 07 de dezembro. As três partidas realizadas desde que ele chegou ao clube foram comandadas pelo seu filho, Emiliano Díaz. O novo técnico Eduardo Barroca inicia as atividades neste sábado.