PSG, Messi e Talibã: entenda polêmica capa de revista francesa

·1 minuto de leitura

A Charlie Hebdo, revista francesa famosa por suas charges polêmicas e provocativas, relacionou o Paris Saint-Germain com o Talibã, grupo terrorista que assumiu o controle do Afeganistão nos últimos dias. Na imagem, três pessoas com burcas aparecem com o nome de Lionel Messi, principal contratação do clube nesta janela de transferências, nas costas.

A publicação escreve que o "Talibã: é pior do que pensávamos" em referência ao domínio do Paris Saint-Germain neste mercado. A equipe comandada por Mauricio Pochettino mostrou força e poder com contratações de pesos, como o argentino, mas também Sergio Ramos, Wijnaldum, Hakimi e Donnarumma.

Leia também:

No entanto, a provocação passa por questões que vão além do campo e bola. Nasser Al-Khelaifi, dono do PSG, é nascido no Qatar e possui relações com o governo de seu país. O Talibã também tem uma relação estreita com o local que irá sediar a Copa de 2022. Abdul Ghani Baradar, um dos principais líderes do grupo terrorista, vivia no Qatar desde 2018 e chegou ao Afeganistão na última terça-feira.

Além disso, Doha, capital da terra de Nasser Al-Khelaifi, servia como uma espécie de sede política do Talibã desde que este movimento deixou o Afeganistão em 2001 por conta da chegada de militares dos Estados Unidos que buscavam desmantelar a associação do grupo com a Al-Qaeda em busca de Osama Bin-Laden.

Na imagem da Charlie Hebdo, três mulheres aparecem com burcas, assessório obrigatório para as mulheres que saíam às ruas no Afeganistão entre 1996 e 2001, período em que o Talibã tomou conta do país. Todas possuem o nome de Messi nas costas com o número 30 que o atleta irá usar em sua passagem pelo PSG.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos