PSG-Manchester City, uma semi para a história da Liga dos Campeões

Emmanuel BARRANGUET, Frédéric HAPPE en Londres
·3 minuto de leitura
Lionel Messi é o jogador que mais vezes atuou pelo Barcelona

Liderado por um Kylian Mbappé mais maduro, o Paris Saint-Germain parece focado no desafio que tem pela frente nesta quarta-feira (16h00 de Brasília) contra o Manchester City pelas semifinais, último obstáculo para a segunda final consecutiva de Liga dos Campeões.

A primavera voltou, o gramado do Parque dos Píncipes está em excelentes condições e os jogadores do time parisiense estão tranquilos: quem estava lesionado já está recuperado ( Marquinhos e Marco Verratti); Neymar é decisivo e Mbappé está ligado (sete gols em seis jogos).

No banco, o argentino Mauricio Pochettino mostra grande calma que soube transmitir aos seus jogadores para superar o Barcelona (4-1, 1-1) e o Bayern de Munique (3-2, 0-1). Resumindo, o PSG está em sua melhor forma.

Dos últimos quatro confrontos pelo torneio continental, o duelo de volta pelas quartas de final contra o Bayern é certamente um dos mais felizes da história do clube, pois garantiu a vaga para as semifinais.

Do lado oposto, o City não fica para trás, tanto no estilo de atuar como nos jogadores disponíveis. Além disso, há anos que a equipe inglesa tenta chegar à final da Liga dos Campeões.

Apesar de ter conquistado nove títulos nas últimas cinco temporadas (e prestes a erguer outro troféu do Campeonato Inglês), Pep Guardiola admitiu há um ano que "Estou ciente de que se não vencer (a Liga dos Campeões) antes de terminar a minha etapa aqui, seria um fracasso".

- Regularidade do PSG na Liga dos Campeões -

Das quatro equipes nas semifinais da competição europeia em 2021, o PSG pode se orgulhar de ser a única a repetir o feito da temporada passada.

Este ano, o representante da capital da França está num "clima mais favorável" em relação aos rivais.

Ao contrário dos outros três semifinalistas, Real Madrid Chelsea e City, o PSG não "queimou sua imagem" com o projeto fracassado da Superliga.

Já o City pode amenizar o tropeço recente com o fato de ter chegado pela primeira vez desde a contratação de Guardiola à atual fase na Liga dos Campeões.

O rodízio de jogadores adotado pelo treinador nesta temporada ajudou na redução de lesões de seus atletas, como ocorreu com Kevin de Bruyne, que retornou na conquista da Copa da Liga Inglesa (1-0 sobre o Tottenham).

Mesmo assim, o time titular do ex-técnico do Barcelona será testado em detalhes após várias eliminações no torneio continental, e terá que saber conter a velocidade de ataque dos parisienses.

- Pochettino contra Guardiola -

Depois de não sofrer gols em 29 dos 53 jogos, o City tem armas mais do que suficientes para se defender do PSG e continuar a alimentar o seu sonho de conquistar a Europa.

Este jogo também marca o encontro entre dois treinadores da mesma geração: Guardiola e Pochettino, rivais nos anos 90 nas disputas entre Barça (Guardiola) e Espanyol (Pochettino), duas equipes de Barcelona.

Como treinadores, o argentino sabe o que é perder uma final da Liga, com o Tottenham em 2019.

Por outro lado, o catalão só conhece a vitória na maior competição europeia, mas já faz muito tempo e com o Barça (2009 e 2011).

Em confrontos diretos, Pep leva a melhor sobre Pochettino: 10 vitórias em 18 duelos, com apenas 3 derotas.

eba-hap/jed/grp/gh/lca