Proteger direitos será desafio para exibidores oficiais dos Jogos Olímpicos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·5 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O espectador que quiser acompanhar as Olimpíadas de Tóquio vai encontrar uma diversidade de canais e plataformas de exibição, incluindo transmissões pela TV aberta e paga e uma proliferação de imagens e vídeos nas redes sociais, nem sempre com autorização para ser mostradas.

Ao mesmo tempo que esse conjunto trará pluralidade de conteúdos e pontos de vista, ele promete dificultar a vida daqueles que querem localizar focos específicos de cobertura, modalidades ou mesmo entrevistas com o atleta preferido. Oficialmente, a transmissão das principais modalidades será feita, em rede aberta, pela TV Globo e, na TV paga, por quatro canais do SporTV e pela BandSports.

As competições com times e atletas brasileiros poderão ser encontradas, com mais frequência, na TV Globo, que divulgou uma grade com 200 horas de transmissão.

O que for exibido na TV aberta também será disponibilizado gratuitamente em sua plataforma digital, a Globoplay, mas apenas durante a exibição ao vivo. Após o término de um jogo, dependendo de sua importância, ele só fica disponível para assinantes do Globoplay --no caso da programação do SporTV, também é necessário ser assinante dos canais. A cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio terá início às 8h (de Brasília) desta sexta-feira (23), com exibição na na TV Globo, nos canais SporTV e na BandSports. Ficará gratuita no Globoplay.

O desafio da Globo será enfrentar um exército de concorrentes na internet. Com milhares de exibidoras detendo direito de transmissão pelo mundo -a venda é feita pelo Comitê Olímpico-- a tendência é que a programação dos Jogos Olímpicos suba por completo nos canais oficiais de emissoras de TV internacionais. A responsabilidade de rastrear eventuais vazamentos será da própria plataforma exibidora -YouTube, Instagram e Facebook, por exemplo, estão mais preparados para a enxurrada.

Vamos ao exemplo mais próximo aqui do Brasil: a Claro abocanhou direitos de exibição na América Latina, menos no país de língua portuguesa. Isso significa que, com um jeitinho, vai dar para ver algum conteúdo nos canais da Claro? Aqui, não. Executivos de empresas de comunicação dizem que todo o conteúdo que a empresa de telefonia exibe no Uruguai, Argentina, Colômbia, Chile e por aí vai já está bloqueado em território nacional, e o conteúdo online da Globo sofre o mesmo tipo de restrição nesses países vizinhos.

As ofertas gratuitas da Globo são instrumento eficaz inclusive contra a pirataria -há quem filme a própria televisão para exibir o conteúdo em uma página da internet, prática que tem se tornado cada vez mais comum nos campeonatos de futebol em todo o país. Portanto, segundo análise de empresários, os maiores conflitos legais de direitos de exibição devem ficar na conta da programação paga.

Procurado pela reportagem, o YouTube não se posicionou sobre possíveis exibições irregulares até a noite desta quinta (22). O que profissionais ligados à área informam é que existe um sistema de rastreamento de imagens desenvolvido pelas redes, mas que existem formas de manipular essas imagens de forma que robôs nâo as identifiquem.

O Facebook, do mesmo grupo do Whatsapp e do Instagram, diz que "cabe a cada pessoa determinar o conteúdo que deseja compartilhar", contanto que nenhum conteúdo viole políticas de propriedade intelectual. "Vale ressaltar que os detentores de direitos de transmissão têm a possibilidade de controlar como o seu conteúdo é compartilhado", diz a empresa em nota.

"Nossas políticas proíbem usuários de postar conteúdo que viole a propriedade intelectual de terceiros. Continuamente, desenvolvemos medidas de proteção de propriedade intelectual e, nesse sentido, continuamos a trabalhar em colaboração com os detentores de direitos para mitigar esses desafios."

A TV Globo pega o filé, com disputas de futebol, basquete, vôlei, atletismo, sempre com participações nacionais. O espectador encontrará um espectro mais amplo do cenário internacional nos canais a cabo.

O SporTV vai focar atletismo, natação, ginástica, vôlei e futebol, além de programas jornalísticos. O SporTV2 destacará modalidades como judô, basquete, handebol e canoagem. O SporTV3 ficará com disputas de mais longa dureção, como levantamento de peso, pólo aquático, hipismo e vôlei de praia. Com o SporTV4, ficarão surfe, skate, saltos ornamentais e vela.

A BandSports divulgou que terá 24 horas de cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, inclusive com direito de exibição de arena. O reforço será o da cobertura jornalística, que ocupará a grade diurna principalmente. Uma das marcas destas Olimpíadas é que as disputas acontecem durante a noite e a madrugada, por causa do fuso horário japonês 12 horas à frente.

SEIS DICAS PARA ACOMPANHAR OS JOGOS OLÍMPICO

1. Onde encontrar informações sobre as programações?

Nos sites do SporTV, da BandSports e da Globo, que também desenvolveu um programa digital de informações. Para informações sobre sua programação, o SporTV lançou o "Chama no Zap". Com uma mensagem de Whatsapp para o número (21) 999-160-539, o espectador consegue saber em qual canal e a que horas será transmitida cada disputa olímpica dos próximos três dias.

2. Como as modalidades estarão divididas pelos canais?

A TV Globo vai focar disputas com participações de brasileiros. No SporTV, haverá atletismo, natação, ginástica, vôlei e futebol. No SporTV2, judô, basquete, handebol e canoagem. No SporTV3, levantamento de peso, pólo aquático, hipismo e vôlei de praia. No SporTV4, surfe, skate, saltos ornamentais e vela.

3. O que o espectador vai encontrar nas redes sociais?

Além do conteúdo transmitido pelos canais oficiais das Olimpíadas, é legal ficar ligado nas contas digitais dos próprios atletas, onde pode haver entrevistas exclusivas. Alguns dos mais atuantes são a skatista maranhense Rayssa Leal, o jogador de vôlei Doulgas Souza, o surfista Italo Ferreira, a futebolista Andressa Alves e o ginasta Arthur Nory.

4. Muitas das competições são de madrugada. E se eu dormir?

Todos os canais prometem reprises. Mas Globo e SporTV, além disso, deixam parte do conteúdo disponível no portal Globoplay, para assinantes da plataforma. No caso da programação da SporTV, também é preciso ser assinante dos canais.

5. Quando acontecem os jogos?

A abertura ocorrerá nesta sexta (23). As competições vão se desenrolar até o próximo dia 8.

6. Como faço para rever a abertura ou assistir à cerimônia nos dias seguintes?

A cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio ficara disponível gratuitamente na Globoplay.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos