Promessa de VAR mais rápido falha no primeiro lance da Copa do Mundo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O VAR foi o protagonista do primeiro lance de gol da Copa do Mundo, logo aos 3 minutos da partida de abertura, entre Qatar e Equador. O gol marcado pelo equatoriano Enner Valencia foi anulado por impedimento, em um lance controverso.

Após cobrança de falta, o goleiro qatari Al Sheeb saiu atabalhoado e a bola sobrou para o ataque do Equador. No bate e rebate, Enner Valencia mandou de cabeça para a rede.

No primeiro momento, o árbitro italiano Daniele Orsato confirmou o gol, mas depois houve a revisão do VAR, comandado pelo também italiano Massimiliano Irrati, que apontou impedimento de Estrada, também parte do lance.

Entre o gol e a confirmação do impedimento foram dois minutos de análise, o que contradiz a objetivo inicial da Fifa, que prometia uma agilidade maior nessas decisões.

Em entrevista coletiva na sexta-feira (18), o italiano Pierluigi Collina, chefe de arbitragem da entidade, afirmou que a "tecnologia de impedimento semiautomático" decidiria os lances mais rapidamente.

Segundo a entidade, o VAR leva, em média, 70 segundos na conferência dos lances. A nova tecnologia deveria reduzir o tempo para 20 ou 25 segundos.

A tecnologia usada pela Fifa para apontar impedimento é baseada em 12 câmeras espalhadas pelo estádio, para rastrear 29 pontos do corpo de cada jogador. Um sensor dentro da bola envia os dados para a sala do árbitro de vídeo 500 vezes por segundo.

O equipamento emite um alerta para a sala do VAR quando a bola é recebida por um atacante que estaria em posição de impedimento. Após análise, a decisão é repassada ao árbitro de campo.

Na sequência, é feita uma animação em 3D para, segundo a Fifa, "mostrar as melhores perspectivas possíveis para uma situação de impedimento". A imagem da animação é exibida na transmissão e no telão do estádio.

De acordo com a entidade, essa nova tecnologia foi testada na Copa Árabe, em dezembro do ano passado, e no Mundial de Clubes, em fevereiro deste ano.