Projeto promete colocar São Paulo como potência no ano do centenário, afirma candidato à presidência do Conselho

Pedro José Domingues
·3 minuto de leitura

Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, o candidato à presidência do Conselho Deliberativo do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa, atribuiu algumas metas do plano de gestão para a próxima década, que colocaria o clube como potência no cenário nacional.

Marcelo é membro do grupo político "Nova Força", e auxiliou na formulação desse projeto, que já deve começar a ser implementado no clube. Com reestruturação financeira em curto prazo, o São Paulo teria potência financeira para rivalizar com Flamengo e Palmeiras na década de seu centenário, por exemplo - o clube completa 100 anos de existência em 2030.

"Marcelinho", como é chamado, é filho do ex-presidente do clube Marcelo Portugal Gouvêa, que levava o mesmo nome e presidiu o São Paulo de 2002 a 2006 e já é falecido.

MARCELO FERRELLI/Gazeta Press
MARCELO FERRELLI/Gazeta Press

No entanto, a principal questão a ser colocada em prática por Marcelo, em caso de sua eleição, é contribuir no estancamento das dívidas do clube. Em longo prazo, o projeto do centenário começa a ser traçado.

O torcedor quer saber do São Paulo ganhar título, mas para ganhar título é preciso estar estruturado fora de campo. Esse nosso projeto visa justamente o longo prazo, para que as mudanças, planos, ações sejam estruturadas e pensadasMarcelo Portugal Gouvêa

Não adianta a gente tomar uma medida em algum ponto que não seja conectada com uma outra medida do outro lado. Se não, vamos tomar medidas de curto prazo e continuar correndo atrás de nós mesmos. A ideia é que tudo seja pensado em dez anos para saber o que vamos fazer agora, no ano que vem, no terceiro, quarto, quinto ano e por aí vai. Mais importante do que as ações é o que buscamos com esse plano, que é retomar o protagonismo no futebolMarcelo Portugal Gouvêa

Uma das questões a serem levantadas com o projeto é a aproximação do clube com outras instituições e empresas na região do Morumbi, que tem sofrido com enchentes e problemas de infraestrutura. Com isso, um laço formado com essas instituições chamaria a atenção do poder público, com a mobilização de ambas as partes. Marcelo também destaca que isso pode ser o ponto de partida para uma possível futura reforma no estádio do Morumbi.

Temos o Hospital Albert Einstein, colégios, muita coisa na região. Falta um pouco uma união desses players no sentido de buscar coisas que seriam positivas para o coletivo. Com essa maior conversa você teria maior condição para brigar com o poder público para fazer reformas no entorno que se adequem ao torcedorMarcelo Portugal Gouvêa

An Empty Sao Paulo During the Coronavirus (COVID - 19) Pandemic | Alexandre Schneider/Getty Images
An Empty Sao Paulo During the Coronavirus (COVID - 19) Pandemic | Alexandre Schneider/Getty Images

A última década foi aberta a estação de metrô na frente do Shopping Butantã, a mil metros do estádio. Há um projeto já aprovado de canalização do córrego que passa debaixo do Morumbi, isso acabará com os problemas de enchente do estádio. Depende de uma maior comunicação do São Paulo com essas outras empresasMarcelo Portugal Gouvêa

Em relação à reforma do Morumbi, o candidato à presidência do Conselho Deliberativo do tricolor adota cautela sobre a situação, priorizando controlar as dívidas em curto prazo, para ter dinheiro para investir posteriormente, tanto no futebol, quanto em estrutura.