Procurador que chamou R$ 24 mil de 'miserê' recebeu mais de R$120 mil em dois meses

Ministério Público de Minas Gerais - Foto: BHaz/Reprodução
Ministério Público de Minas Gerais - Foto: BHaz/Reprodução

O procurador de Justiça Leonardo Azeredo dos Santos, do Ministério Público de Minas Gerais, recebeu R$ 100 mil líquidos nos dois meses depois de ficar ‘famoso’ por reclamar, em agosto deste ano, que o salário de R$ 24 mil (livre de descontos) era um “miserê”. Somando seus vencimentos de agosto e setembro, Azeredo recebeu a R$ 124.029,85. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Azeredo chamou o próprio salário de "miserê" durante a 5ª sessão extraordinária da Câmara de Procuradores de Justiça de Minas, realizada no dia 12 de agosto. O tema da reunião era a proposta orçamentária para 2020.

Leia também

Apesar de deixar claro sua insatisfação com seu salário, Azeredo recebeu, além do salário de R$ 24 mil, indenizações e remunerações retroativas ou temporárias que totalizaram pouco mais de RS$ 65 mil. De acordo a publicação, o procurador recebeu, em média, R$ 68 mil líquidos por mês desde janeiro.

"Dentro do orçamento, não há qualquer perspectiva, nenhum sonho da administração de incrementar qualquer vantagem que aumente nossa remuneração?", questionou o procurador em tom de crítica. O áudio da sessão foi disponibilizado pelo próprio site do Ministério Público, no início de setembro.

Depois da repercussão negativa, a Procuradoria de Minas Gerais informou que Azeredo tirou licença médica. O procurador retornou às atividades no dia 7 de novembro. Como no portal da Transparência do Ministério Público mineiro só há informações do mês de setembro, é impossível saber quanto Azeredo recebeu durante seu afastamento.

Em agosto, mês da reclamação de Azeredo, ele recebeu R$ 35.462,22 - mais indenizações e remunerações retroativas/temporárias que elevaram seu contracheque para R$ 76.794,29. Em setembro, o holerite do procurador se manteve nos R$ 35.462,22. Com os complementos, foi a R$ 47.235,56.

O procurador ‘reclamão’ não foi o que mais recebeu. Em julho, Azeredo recebeu pouco mais de RS$ 65 mil, o que não coloca seu salário nem entre os cem mais altos salários pagos pela Procuradoria naquele mês. 138 procuradores e promotores de Justiça ganharam entre R$ 65 a R$ 88 mil no período.

A queixa do procurador levou um advogado mineiro a criar uma campanha nas redes suciais para ajudar o procurador a sair do “miserê”. "Doe aqui e ajude o procurador de Minas a sair do miserê", escreveu o advogado, em tom de brincadeira.

Leia também