Procon recebe mais de 300 reclamações sobre Black Friday em São Paulo

Yahoo Finanças
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Balanço de ontem à noite do Procon em São Paulo informou ter recebido 322 reclamações referentes à Black Friday.

  • A reclamação mais frequente, dentre as registradas pelo Procon, foi sobre a indisponibilidade do produto ou do serviço – ao todo, foram 88 queixas de consumidores sobre isso.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A Fundação Procon em São Paulo informou em balanço divulgado na noite dessa sexta (29) que, desde a noite de quinta (28), já havia recebido 322 reclamações referentes à Black Friday. A informação é da Agência Brasil, segundo a qual houve ainda 308 consultas [pedidos de esclarecimentos] de consumidores ao Procon por meio de seus canais nas redes sociais ou pelo telefone 151.

A reclamação mais frequente, dentre as registradas pelo Procon, foi sobre a indisponibilidade do produto ou do serviço – ao todo, foram 88 queixas de consumidores sobre isso. Em segundo lugar, ficaram as queixas sobre a maquiagem do desconto, ou seja, quando o desconto oferecido sobre o preço do produto não é real -- foram 76 reclamações. A mudança de preço ao finalizar a compra, em terceiro lugar no ranking de queixas, foi relatada 71 vezes.

Leia também

As empresas infratoras podem sofrer multas que variam de R$ 560 a R$ 10 milhões ou até podem ter sua atividade suspensa em casos extremos, de acordo com o Procon.

Até a divulgação do balanço, a empresa que havia recebido mais reclamações foi a B2W Companhia Digital, que administra os sites do Submarino, Shoptime e Americanas, por exemplo: foram 34 reclamações. Ela foi seguida pela rede McDonald's, com 28; e pela Burger King, com 26. As duas redes de lanchonetes foram notificadas nessa sexta pelo Procon em função de problemas no aplicativo Mercado Pago, meio de pagamento por meio do qual os consumidores teriam acesso a promoções de lanches.

O Procon alegou que a publicidade veiculada informava que o consumidor só teria direito a oferta caso a compra do lanche fosse realizada pelo aplicativo. "Porém as equipes de fiscalização [do Procon] verificaram que várias lojas das referidas lanchonetes estavam com o sistema inoperante. Assim, o consumidor não consegue adquirir o lanche pelo valor promocional ofertado", ressalvou o órgão. As empresas deverão responder a um processo administrativo e podem ser multadas.

O Burger King informou, por meio de nota, que "devido ao grande sucesso e alta procura pelas ofertas de Black Friday, as promoções oferecidas pela rede em parceria com o Mercado Pago apresentaram instabilidade no sistema de pagamento".

"A rede reforça o seu compromisso em oferecer serviços de qualidade aos seus consumidores e vai manter as ofertas de seis sanduíches por R$15 e três sanduíches por R$5 para todos os meios de pagamento, em todos os restaurantes participantes", diz a empresa.

Já o McDonald's alegou que "a Méqui Friday" foi preparada "usando o nosso app e também algumas ofertas em parceria com o Mercado Pago. Essas últimas, devido à instabilidade inesperada do sistema, gerada pela grande demanda, ficaram indisponíveis em alguns restaurantes. Lamentamos o ocorrido com nossos clientes e reforçamos que estamos colocando todos os nossos esforços junto ao parceiro pra mitigar o impacto na experiência do consumidor".

Leia também