Processo contra Caboclo pode incluir mais duas funcionárias da CBF como vítimas de assédio

·1 minuto de leitura


O turbulento afastamento de Rogério Caboclo da presidência da CBF ganhou mais um capítulo. Acusado formalmente de assédio sexual por uma ex-funcionária, a ação analisada pela Comissão de Ética da entidade pode sofrer importantes alterações. Isso porque o nome de mais duas possíveis vítimas, também contratadas pela entidade, foram adicionadas nesta semana ao processo. A informação foi dada pelo "UOL".
+ Confira a classificação das Eliminatórias Sul-Americanas!

Apesar de inclusas na acusação da ex-subordinada contra Caboclo, as funcionárias sequer foram ouvidas e não apresentaram movimentação para denunciarem o cartola. O julgamento do processo na Comissão de Ética da CBF é dirigido por Gladys Regina Vieira Miranda, presidente da Câmara de Investigação.

Caboclo, convidado para depor na CPI da Covid-19, teria retaliado a funcionária que o denuncia, apontando as vestimentas da mulher como inapropriadas e regulando amizades dela na Confederação, onde trabalha desde 2012. Ela ainda afirma que Caboclo teria a chamado de "cadelinha" e mandado que ela comesse biscoitos para cachorro.

Depois disso, o programa da Globo "Fantástico" revelou materiais que comprovam as ações do mandatário do futebol nacional

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos