Priscila ‘Pedrita’ pega quatro meses de gancho após ser flagrada em exame antidoping

Priscila ‘Pedrita’ Cachoeira foi suspensa por quatro meses pela USADA (agência antidoping americana). A peso-mosca (57 kg) havia testado positivo para a substância proibida hidroclorotiazida em um exame fora de competição. Em razão disso, a brasileira acabou afastada do card do UFC São Paulo, realizado no último dia 16 de novembro, onde enfrentaria Ariane Lipski.

À época, em conversa com a Ag. Fight, Priscila admitiu o uso de um medicamento que contém a substância proibida pela USADA. No entanto, a lutadora alegou que o remédio foi administrado por sua mãe ao vê-la passando mal, em razão da pressão arterial alta.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Estava passando mal, pressão alta e minha mãe me deu um hidroclorotiazida, que é um diurético. Estava passando muito mal na hora e nem pensei em USADA nem nada, muito menos minha mãe, que não tem noção dessas coisas, é só uma enfermeira”, comentou ‘Pedrita’ na época.

Após analisar o caso, a USADA decidiu por uma pena mais branda, de quatro meses, ao invés da suspensão de um ano, que normalmente é utilizada em casos como o de ‘Pedrita’. A pena é retroativa à data da realização do teste. Portanto, Priscila estará liberada para voltar a competir a partir do dia 20 de fevereiro de 2020.

Priscila ‘Pedrita’ foi finalizada por Valentina Shevchenko na sua estreia no UFC, em fevereiro de 2018. Com mais duas derrotas em 2019, para Molly McCann e Luana Carolina, a brasileira acumula três reveses consecutivos na organização e ainda busca sua primeira vitória no octógono mais famoso do mundo.

Leia também