Primeiro-ministro de Israel, Netanyahu promete: “Seremos o primeiro país livre do coronavírus”

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu gives a statement after meeting with the US secretary of treasury in Jerusalem, on January 7, 2021. - Netanyahu condemned as "disgraceful" violence by supporters of his staunch ally President Donald Trump at the US Capitol building. He made the comments in Jerusalem alongside US Treasury Secretary Steven Mnuchin, who called the storming of the Capitol "unacceptable". (Photo by Emil SALMAN / POOL / AFP) (Photo by EMIL SALMAN/POOL/AFP via Getty Images)
Primeiro ministro de Israel, Bejamin Netanyahu, pretende vacinar toda a população até o fim março (Foto: EMIL SALMAN/POOL/AFP via Getty Images)

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu que o país será o primeiro do mundo a erradicar o coronavírus. Em pronunciamento feito nesta quinta-feira, 7, Netanyahu anunciou que todos os israelenses com mais de 16 anos serão vacinas até o fim de março.

“Esta noite, tenho o prazer de anunciar a vocês um grande avanço que nos levará para fora do coronavírus e nos trata de volta à vida normal. Seremos o país do mundo livre do coronavírus. O acordo que cheguei com a Pfizer nos permite vacinas todos os cidadãos israelenses com mais de 16 anos até o fim de março, e talvez até antes disso”, afirmou Bibi Netanyahu.

O país começou a vacinação no fim de dezembro e já vacinou mais de um milhão de pessoas. No total, Israel tem 9,25 milhões de habitantes. O primeiro-ministro chamou o processo de “Operação Retornando à Vida”.

Leia também

“Por meio da Operação Retornando à Vida, abriremos a economia, retornaremos aos locais de trabalho, sinagogas, restaurantes e pubs, às quadras de futebol e de basquete, aos eventos culturais, a uma vida que amamos e sentimos tanta falta”, declarou.

O primeiro-ministro afirmou que uma nova remessa de doses da vacina deve chegar no próximo domingo, 10. Para ele, a rápida vacinação no país é possível pelo bom sistema de saúde israelense, “um dos mais avançados do mundo”, segundo Netanyahu. O país tem um sistema de saúde privado, mas por preços baixos e acessíveis, com ampla cobertura.

Mesmo com a rapidez na vacinação, Israel vive o terceiro lockdown e promete medidas rígidas para restringir a circulação. O país registra 470 mil casos de coronavírus e 3.549 mortes pela Covid-19.