Primeiro técnico de Felippe Cardoso crê que jogador pode dar certo no Flu

Joel Silva
LANCE!
Felippe Cardoso marcou apenas um gol jogando pelo Santos (Foto: Ivan Storti/Santos)
Felippe Cardoso marcou apenas um gol jogando pelo Santos (Foto: Ivan Storti/Santos)


Ao que tudo indica, Felippe Cardoso vai ser o primeiro reforço do Fluminense para a temporada 2020. O atacante já realizou os exames médicos, faltando apenas assinar o contrato de empréstimo com o Tricolor, que terá duração até o fim do ano.

Com apenas 21 anos, Felippe Cardoso vai defender o quarto clube como profissional. Antes do Fluminense, vestiu as camisas do Ceará, Santos, clube com o qual tem vínculo e a Ponte Preta. Foi na Macaca que tudo começou e onde conseguiu projeção para alcançar a elite do futebol brasileiro.

Apesar de ter disputado os últimos dois Brasileirões, Felippe Cardoso é um desconhecido para a maioria dos torcedores. Por conta disso, o LANCE! buscou informações com Eduardo Baptista, primeiro treinador do atacante, na Ponte Preta.

- Ele veio para uma avaliação no Sub-20 por conta de uma indicação. Acabou treinando com a gente para completar um treinamento. Nessa atividade ele chamou a atenção e ficou, mas as inscrições do Brasileiro já tinham acabado. Então ele apenas treinou com os profissionais, de outubro até o fim do ano. A estreia dele foi contra o Corinthians, na primeira rodada do Paulistão.

Antes de chegar na Ponte Preta, Felippe Cardoso jogava pelo Osvaldo Cruz, um clube do interior de São Paulo. Por não ter tido um longo trabalho de base, Eduardo Baptista afirmou que precisou trabalhar alguns conceitos táticos do jogador. Na avaliação do treinador, o atacante a saída para o Santos pode ter freado o crescimento como atleta.

- Ele chegou de uma peneira praticamente e fez um trabalho mais específico e de alto nível com 19 anos, ou seja, não tem muita base. No tempo em que ele ficou sem jogar, trabalhamos muito os conceitos táticos, ofensivos e defensivos. Acabou fazendo gols e chamando a atenção do Santos, uma grande equipe, com uma cobrança imensa. No meu entender ele precisava passar mais um ano na Ponte Preta, com uma orientação maior, para ganhar uma base melhor.

Características

- Ele tem potencial, mas pulou algumas fases. É um jogador de área, que protege muito bem a bola. É muito difícil para o zagueiro tirar a bola dele quando recebe de costas. Ele tem um senso de colocação na área muito bom. Finaliza bem, mas nisso teve alguns aspectos técnicos que na época trabalhávamos com ele. Ele tem faro do gol, mas as vezes ia de uma forma errada e acabava dando certo. Era dele isso aí, não poderíamos podar. Ele não é veloz, mas é rápido em um espaço curto, tem explosão e força para arrastar. Tem também uma boa mobilidade. Defensivamente, nas pequenas características que são necessárias para um atacante, ele tem uma noção, mas precisa ser orientado para correr menos e ajudar mais.

Vai dar certo no Fluminense?

- É um jogador que precisa de sequência. Se tiver, vai dar resultado. Ele entrou muito novo nesse giro grande. No Fluminense ele vai ter que entrar e nos primeiros cinco jogos, fazer quatro gols e isso acaba sendo difícil para esses jovens. Mas ele tem potencial, tem personalidade. É um menino que pode dar a resposta que o Fluminense precisa.

Números na carreira

Felippe Cardoso soma como profissional 52 jogos. O time que mais defendeu foi a Ponte Preta, com 23 partidas disputadas. Pelo Ceará entrou em campo 18 vezes e com o Santos, foi utilizado apenas em 11 oportunidades. Ao todo, soma sete gols: quatro pela Macaca, dois pelo Vozão e um pelo Peixe.

Análise dos gols:

1º gol: Paulistão 2018 - Ituano 1 x 1 Ponte Preta - de cabeça, após cruzamento pela esquerda (pequena área)

2º gol: Paulistão 2018 - Ponte Preta 1 x 1 Grêmio Novorizontino - de letra, após passe rasteiro pela esquerda (pequena área)

3º gol: Paulistão 2018 - Botafogo-SP 1 x 1 Ponte Preta - de pé direito, finalizando da entrada da área

4º gol: Série B 2018 - Criciúma 0 x 1 Ponte Preta - de carrinho, com o pé esquerdo, após cruzamento rasteiro pela direita (pequena área)

5º gol: Série A 2018 - Santos 3 x 2 Atlético-MG - de pé esquerdo, após driblar o zagueiro (dentro da área)

6º gol: Série A 2019 - Ceará 2 x 1 Fortaleza - de cabeça, após cobrança de escanteio (pequena área)

7º gol: Série A 2019 - Ceará 4 x 1 Chapecoense - de pé direito, limpando o marcador e acertando o ângulo (dentro da área)







































Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também