Pressionado, Bolsonaro já cogita troca no Ministério da Saúde

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro attends the sanction of the law that authorizes states, municipalities and the private sector to buy vaccines against COVID-19, at the Planalto Palace in Brasilia, on March 10, 2021. - Until now, with more than 260,000 deaths by the coronavirus, only the federal Government was authorized to buy vaccines. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Governo do Presidente Jair Bolsonaro enfrenta descontrole na pandemia do coronavírus (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Diante da pressão de aliados e do aumento no número de mortes pela covid-19, o presidente Jair Bolsonaro tem cogitado a troca do ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello.

Com a adoção de um discurso pró-vacina, o Palácio do Planalto avalia que a demissão de Pazuello poderia estancar a perda de popularidade de Bolsonaro.

Leia também:

Publicamente, o presidente ainda vem defendendo a atuação do ministro da Saúde, que já deixou claro que apenas “obedece” ao chefe do Executivo. Mas, nos bastidores, Bolsonaro já teria sido convencido a adotar algumas mudanças na condução da pandemia, como diminuir o tom em relação à vacinação e o uso de máscara em eventos. Nesta semana, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) tentou viralizar nas redes sociais o slogan “Nossa arma é a vacina”.

E o próximo passo do ‘Plano Vacina’ seria a saída do ministro da Saúde.

Com isso, a responsabilidade pelo colapso no sistema de saúde e pelo fracasso na negociação das vacinas contra covid-19 seria centralizado no chefe da pasta.

O primeiro golpe para o presidente foi quando João Doria apareceu para o Brasil como o primeiro gestor a vacinar no país.

Agora, com a volta do ex-presidente Lula ao cenário político, o alerta acendeu no governo. Em seu primeiro discurso após decisão que anulou suas condenações e o tornou elegível, Lula defendeu a vacinação como saída para a pandemia e atacou a gestão de Bolsonaro no combate à covid-19.

Governistas viram que esse será o tema central da campanha em 2022 e se preocuparam com a repercussão que a fala de Lula teve.

O presidente também teria se irritado na quinta-feira (11) com a gravação de um vídeo por Pazuello negando o colapso na rede de saúde.

Segundo aliados, a saída do ministro da Saúde acalmaria ainda os ânimos no Congresso. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) descartou a instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar supostas irregularidades na atuação do governo de Jair Bolsonaro no combate à covid-19. Mas, em contrapartida, teria recebido do governo a sinalização da troca na pasta da Saúde.

Por outro lado, o Centrão já estaria se articulando para indicar o substituto do general. A pressão é para que o ministério seja entregue ao PP. De acordo com auxiliares presidenciais, a única exigência de Bolsonaro é que o novo ministro não defenda medidas restritivas, como o lockdown e fechamento de comércio.

Os ministros militares querem que o deputado Ricardo Barros (PP-PR), que já foi ministro da Saúde no governo Michel Temer, assuma o cargo. Mas ele ainda resiste à indicação.

No entanto, líderes do Centrão estão de olho no Ministério da Saúde no momento em que aumentaram os recursos para a compra de vacinas. O presidente sancionou nesta semana a medida provisória que facilita a compra dos imunizantes, insumos e serviços necessários à imunização, com dispensa de licitação e regras mais flexíveis para contratos.