Sem Messi, Argentina mostra apatia e perde para a Bolívia em La Paz

La Paz, 28 mar (EFE).- A suspensão de quatro jogos imposta a Lionel Messi pela Fifa pegou de surpresa a Argentina, que voltou a sofrer com a ausência do craque ao ser dominada e perder por 2 a 0 para a Bolívia nesta terça-feira, em La Paz, pela 14ª rodada das Eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2014.

Sem demonstrar poder de fogo, a equipe treinada por Edgardo Bauza foi derrotada com gols de Juan Arce e Marcelo Moreno, que se torna cada vez mais carrasco da Argentina, com quatro gols em oito duelos entre as duas seleções.

É notável o impacto que a falta de Messi faz à seleção. Com o craque do Barcelona nas Eliminatórias, a Argentina conquistou 15 dos 18 pontos disputados, com um aproveitamento de 83,3% em seis partidas, entre elas a vitória por 2 a 0 sobre a mesma Bolívia, pela sexta rodada.

Na ausência do camisa 10, o rendimento cai consideravelmente. Desfalque em oito partidas até agora, o atacante assistiu de longe a equipe somar apenas sete pontos dos 24 em disputa, um aproveitamento de 29,1%.

Com o resultado, os argentinos se mantêm com 22 pontos nas Eliminatórias e perdem a chance de ficar em situação tranquila no G4. Os bolivianos chegam aos 10 pontos com o triunfo, mas continuam na vice-lanterna.

A Bolívia tomou a iniciativa no início da partida e envolveu a equipe visitante, embora tenha mostrado dificuldades para criar situações de perigo contra a meta defendida por Romero. Sem poder de criação e com passes desperdiçados por precipitações, a Argentina demorou para chegar ao campo adversário com a bola.

Em arrancada pelo lado direito aos 14 minutos, Pablo Escobar cruzou rasteiro para a finalização de Chumacero, que foi bloqueado e aproveitou a sobra para tocar no meio, mas Arce não chegou a tempo de chutar.

Foram necessários 25 minutos para a Argentina começar a se soltar, sempre com contra-ataques em velocidade puxados por Di María e Correa. Aos 28, em grande jogada entre ambos, o meia do Paris Saint-Germain recebeu sozinho na área e tentou tocar por cobertura, mas Lampe defendeu com o rosto a melhor chance do jogo até então.

A resposta da Bolívia veio logo na sequência, mas com eficiência. Ao receber na direita, Pablo Escobar olhou para a área e fez longo cruzamento para Arce, que superou a marcação de Roncaglia e cabeceou de costas para colocar a bola no canto esquerdo de Romero e abrir o placar aos 31 minutos.

Exceto pela entrada de Caruzzo no lugar de Funes Mori, que havia sentido o joelho esquerdo na primeira etapa, o técnico Edgardo Bauza decidiu voltar com a mesma equipe após passar instruções ao longo do intervalo.

O segundo tempo teve início com os argentinos mais incisivos e com melhor toque de bola. Logo no primeiro minuto, Di María arriscou forte de fora da área e Lampe precisou fazer a defesa em dois tempos. Apesar da aparente melhora, a Argentina voltou ceder espaço aos adversários.

Não demorou para a seleção da casa ampliar a vantagem. Em ótima jogada de velocidade pela esquerda aos sete minutos, Flores foi à linha de fundo e cruzou na medida para Marcelo Moreno, que dominou sem marcação na área e fuzilou para balançar as redes de Romero.

Em busca de mudar a postura da equipe, Bauza trocou Correa por Sergio Agüero, mas a mudança gerou o efeito imediato. A Bolívia continuou a levar perigo e por pouco não marcou o terceiro aos 20 minutos, quando Marcelo Moreno recebeu na área e chutou, mas foi bloqueado pela zaga.

Mais organizada após a entrada de Acuña no lugar de Enzo Pérez, a Argentina passou a pressionar e quase descontou em bomba disparada pelo meia, mas Lampe salvou. Pouco depois, Di María cruzou na área e a bola desviou até chegar em Lucas Pratto, que cabeceou para fora.

Fechada atrás, a seleção boliviana levou a melhor nas bolas aéreas nos últimos minutos e resistiu à pressão argentina para garantir a vitória.


Ficha técnica:

Bolívia: Lampe; Bejarano, Raldes, Zenteno e Flores; Castro, Wayar (Campos), Chumacero e Pablo Escobar; Arce (Justiniano) e Marcelo Moreno (Miranda). Técnico: Mauricio Soria.

Argentina: Romero; Roncaglia, Musacchio, Funes Mori (Caruzzo) e Rojo, Pérez (Acuña), Pizarro e Banega; Correa (Agüero), Di María e Pratto. Técnico: Edgardo Bauza.

Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia), auxiliado pelos compatriotas Alexander Guzmán e Cristian de la Cruz.

Gols: Arce e Marcelo Moreno (Bolívia).

Cartões amarelos: Wayar (Bolívia); Andújar, Banega (Argentina).

Estádio: Hernando Siles, em La Paz (Bolívia). EFE