Presidente do Grêmio não vê necessidade de muitos reforços para 2023

Atual mandatário vive seus últimos meses de gestão (Morgana Schuh/Grêmio FBPA)


Mesmo com o fato de que o retorno para a elite do futebol brasileiro ainda não foi matematicamente assegurado, a proximidade do fim da temporada já levanta o tema do plenajamento para 2023 pelos lados do Grêmio.

>Cafu perde imóvel em leilão por dívida de R$ 11 milhões

Nesse aspecto, o atual presidente, Romildo Bolzan, deixou claro em entrevista coletiva a sua visão onde não entende como necessário a contratação de várias peças para o elenco, pelo contrário. Para ele, o plantel dirigido por Renato Portaluppi "tem uma base", precisando apenas de chegadas pontuais:

- O time bom é o que tem sete, oito bons jogadores, competentes. Quem garante que 11 craques formam um time vencedor? Aqui tem muitos jogadores em condições. Temos uma base.

Apesar da vice-liderança com 56 pontos ganhos (nove a mais do que o quinto colocado, Sport) e as chances de acesso chegando a 97%, Romildo garante que só terá qualquer contato com os candidatos a presidência no pleito do fim deste ano para falar sobre o processo de transição quando o retorno a Série A estiver devidamente sacramentado:

- No primeiro momento em que tivermos nossa definição, eu vou chamar os candidatos, vou apresentar todo o histórico e, se eles querem, já podem resolver alguma coisa. Esse ano tem dois meses e meio para organizar tudo.

O próximo passo dentro de campo pode ser dado pelo Grêmio no próximo sábado (8), data onde a equipe vai até o interior do Paraná visitar o Londrina, às 16h30 (de Brasília), no Estádio do Café.