Presidente do Fluminense revela que 'continuar com as competições não é uma decisão definitiva'

LANCE!
·2 minuto de leitura


Na tarde desta quarta-feira, o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, falou sobre a Covid-19 e o futebol em entrevista ao programa Seleção Sportv. Ele destacou que no início da pandemia havia dificuldade no cumprimento dos protocolos porque "era tudo muito novo para todo mundo". Hoje, Mário acredita que os protocolos estão mais rígidos e, por isso, o calendário tentará ser seguido. No entanto, de acordo com o dirigente, em pandemia, nenhuma decisão pode ser definitiva

> Relembre as campanhas do Fluminense na Libertadores

- Um ano após o início da pandemia, a gente sabe que a situação está cada dia mais grave no nosso país, isso é um problema de saúde pública, não é um problema do futebol, mas a tentativa de manutenção do calendário, por parte da CBF, é para que a gente possa minimamente preservar as competições e a CBF intensificou a discussão dos protocolos, aumentou a rigidez dos protocolos. Estão sendo mais rígidos do que eram.

- Vamos tentar caminhar aí de uma forma preservando a vida das pessoas, continuar com as competições e essa é a decisão de momento, não é uma decisão definitiva – acho que nessa questão de pandemia nada pode ser definitiva – temos que estudar semana a semana, caso a caso.

Mário também falou sobre uma possível volta do público aos estádios, a qual ele se posicionou "absolutamente" contra.

- Com relação à volta de público, por exemplo, é um absurdo falar se falar nisso agora. Eu sou absolutamente contra a volta, o posicionamento da CBF, ao que tudo indica, também é absolutamente contra.

O presidente destacou que o consenso geral é de que tente-se manter o calendário, porém, caso ocorra novos surtos dentro das equipes, esse posicionamento deve ser repensado.

- A ideia é tentar preservar o calendário somente com as competições, dentro das possibilidades e das permissões das secretarias de saúde e dos governos estaduais e por aí vai. A gente sabe que está tendo problema em alguns outros estados, aqui no Rio ainda estamos liberados e o protocolo até do Campeonato Carioca tem sido bastante rígido também.

- Nesse momento, o consenso geral é de que a gente deve minimamente tentar manter, mas se começar a ter novos surtos, enfim, entre equipes e grupos de jogadores e funcionários, certamente teremos que repensar essa medida.