Presidente da Federação Francesa defende "priorizar a saúde, não o dinheiro"

AFP
O presidente da Federação Francesa de Futebol, Noël Le Graët, na coletiva de imprensa em Istra, na Russia, no dia 14 de junho de 2018
O presidente da Federação Francesa de Futebol, Noël Le Graët, na coletiva de imprensa em Istra, na Russia, no dia 14 de junho de 2018

Noël Le Graët, presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), disse em entrevista à AFP nesta sexta-feira que é preciso "priorizar a saúde, não o dinheiro", referindo-se à interrupção definitiva das competições nesta temporada em seu país.

A pandemia de coronavírus interrompeu o esporte na França em março e no final de abril a Ligue 1 foi suspensa e encerrada definitivamente, com o Paris Saint-Germain sendo declarado campeão. Foi a única das cinco principais ligas europeias a desistir da retomada.

"Nunca respondi às decisões tomadas pelo Estado. Prioridade à saúde em detrimento do dinheiro", disse Le Graët.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O governo francês havia anunciado em abril que o esporte profissional não poderia ser retomado na atual temporada.

A questão da eventual disputa da Copa da França, entre Paris Saint-Germain e Saint-Etienne, que poderia ser disputada no início da temporada seguinte, permanece em aberto.

"Estamos em diálogo permanente (com as autoridades), com progressos que me parecem positivos", afirmou.

A pandemia também causou a suspensão de quatro partidas da seleção francesa, levando a perdas econômicas.

"Perdemos quatro jogos da seleção, o que dá cerca de dez milhões de euros. Por outro lado, não há despesas e interrompemos certas operações. Coloquei em prática um sistema para que, no final de junho, apresentássemos um orçamento próximo do equilíbrio. Nas previsões para 2020-2021, acho que os jogos da seleção francesa serão disputados com o público. Temos quatro jogos atrasados, se pudermos fazer no mínimo dois na temporada, ficarei feliz", explicou.

A FFF também anunciou esta semana um plano de ajuda de 30 milhões para apoiar o futebol 'amador' em seu país, especialmente atingido por esta crise.

Leia também