Presidente da Fifa apoia discussão sobre redução de teto salarial


O presidente da Fifa, Gianni Infantino, revelou ser a favor de impor um teto salarial devido à crise causada pela pandemia do coronavírus. Em vídeo publicado pela entidade, o suíço revelou que essa ideia se encaixa em uma série de "propostas interessantes".

- De tetos salariais a limites de taxas de transferência, ou outros mecanismos de taxação, à possível obrigação a entidades administrativas, organizadores de competições e clubes de construir reservas ou contribuir a fundos de reservas que possam ser usados em momentos de necessidade como agora - disse, em comunicado por vídeo.

- Eu pessoalmente advogo a favor de regulações financeiras mais claras e rígidas, impondo princípios de total transparência e boa administração, e não restringi-los apenas ao sistema de transferências, mas estendê-los a todo o ecossistema do futebol - acrescentou.

Aleksander Ceferin, correspondente na Uefa, defende a ideia desde 2017 e a retomou durante a pandemia. Ele citou a possibilidade de uma "taxa de luxo", uma espécie de punição financeira aos clubes que excedessem o limite de teto salarial imposto.

Nesta semana, a Fifa pediu “bom senso” às entidades diante as manifestações de jogadores da Bundesliga em apoio a George Floyd, homem negro morto por um policial branco nos EUA.








Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também