Presidente da Chapecoense morre vítima da Covid-19

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Morreu nesta quarta-feira (30) Paulo Magro, presidente da Chapecoense, aos 59 anos, vítima da Covid-19. O mandatário do clube líder da Série B do Campeonato Brasileiro estava internado desde o dia 18 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital da Unimed, em Chapecó, no oeste de Santa Catarina. Ele não resistiu a complicações causadas pela doença. Magro estava à frente da Chapecoense desde agosto de 2019, quando assumiu a presidência depois do pedido de afastamento de Plinio David de Nes Filho. Em novembro, ele renunciou ao cargo por problemas de saúde. Ex-vice-presidente administrativo, o dirigente teria mandato até o fim desta temporada, mas o período já havia sido renovado por mais um ano. Em nota, a Chapecoense manifestou profundo pesar pela morte de Paulo Magro. Outros clubes prestaram homenagens nas redes sociais. * Veja a íntegra do comunicado do clube: "Extremamente consternados e com os nossos corações tomados pela tristeza e incredulidade, comunicamos o falecimento do presidente da Associação Chapecoense de Futebol, Paulo Ricardo Magro, ocorrido nesta quarta-feira (30). Paulo tinha 59 anos e foi um dos grandes responsáveis pela retomada da Chapecoense, dentro e fora de campo. Com a sua coragem, idoneidade e sabedoria, ele permitiu que o time alviverde voltasse a trilhar um caminho vitorioso, pavimentado pela dignidade e pelo trabalho - valores tantas vezes pregados pelo nosso querido presidente. Diante da perda irreparável, o sentimento é de tristeza, mas, acima de tudo, de gratidão ao homem que entrou para a nossa história e nela se eternizou ao, novamente, reconstrui-la. Neste momento de profunda dor, pedimos que os torcedores se unam em orações pela família e pelos amigos. Que a força que tantas vezes deram ao nosso clube nunca os falte."