Presidente do Coxa ataca a FPF após Atletiba que não aconteceu

Gazeta Press

O Atletiba histórico que não teve bola rolando neste domingo, na Arena da Baixada, pela quinta rodada do Campeonato Paranaense, ainda terá muitos desdobramentos. O presidente do Coritiba, Rogério Bacellar, defende a posição dos clubes, que em parceria transmitiria a partida pelo Youtube, e ataca a Federação Paranaense de Futebol (FPF), que alega falta de credenciamento mas, em nenhum momento, tomou providências para tirar de campo quem estaria irregular, se limitando a avisar a arbitragem que o jogo não aconteceria naquelas condições.

“A posição do Coritiba é clara. É falta de vergonha na cara dos dirigentes da Federação. Estamos possibilitando aos sócios-torcedores que não tinham ingresso de gratuitamente ver o jogo na internet. Eles não têm esse direito de impedir de transmitir o maior clássico do futebol paranaense”, afirmou o dirigente em entrevista à rádio banda B, lembrando dos valores negociados com a televisão, muito abaixo de outros Estados. “Não tiveram condições de negociar melhor condições de transmissão e agora querer impedir a torcida de assistir nossos jogos”, completou.

Sem ainda uma definição se o Coxa entrará com alguma representação judicial contra a FPF, o presidente confirmou que fará uma reclamação junto à Confederação Brasileira de Futebol. “O departamento do Coritiba vai examinar o que poderá ser feito. Amanhã tem uma reunião na CBF e vamos falar sobre o descontentamento do Coritiba com a Federação Paranaense de Futebol”, disse.

Bacellar ainda confirmou que a entidade estava ciente da transmissão online e, se havia algum impedimento, deveria ter aviado antes, com com o estádio cheio e a bola pronta para rolar. “A Federação era sabedora. Fazia mais de 15 dias que estávamos idealizando esse projeto. E toda imprensa do Brasil divulgou. Se fosse um Federação que olhasse os clubes de outra maneira, poderia ter alertado de qualquer forma”, concluiu.

Leia também