Presidente do Bahia vê associação ruim da marca após Bolsonaro usar camisa do clube em passeio


O Brasil atingiu a marca de dez mil mortes por COVID-19 no último domingo, mas outra notícia chamou muita atenção no mesmo dia. O presidente da República, Jair Bolsonaro, crítico do isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus, aproveitou o dia para passear e vestiu a camisa do Bahia.

A notícia não agradou à diretoria do Bahia. A associação do clube ao momento desagradou o presidente Guilherme Bellintani. Em entrevista ao programa "Isso é Bahia", da rádio A Tarde FM, o dirigente disse que o clube tem sido combativo em questões sociais, mas que não pode ter o poder de dizer quem vai ou não vestir a camisa tricolor.

- Naturalmente, foi ruim ver a camisa do Bahia relacionada ao momento dos 10 mil mortos, mas cada um usa a camisa do Bahia. Não posso condenar o presidente da República de jeito nenhum. Dentro da torcida do Bahia tem pessoas que votam em A, B e C. Não posso ficar aqui condenando pessoas especificamente. Tenho que lutar por causas. E é isso que o Bahia tem feito - afirmou o presidente, que lembrou que o Bahia tem sido combativo e lançado campanhas que levam à reflexão de questões sociais.

- A gente quer ser conhecido por notícias positivas e por enfrentamento dos problemas sociais graves. O Bahia escolheu a política afirmativa de combater problemas sociais graves, de defender causas humanitárias. Isso a gente tem feito sempre no combate ao racismo, no combate ao assédio, nas campanhas de reconhecimento de paternidade, na inclusão LGBT no futebol e na sociedade como um todo, no fim do preconceito. São causas que o Bahia defende arduamente. Causas humanitárias. A gente vai continuar defendendo, inclusive em relação ao coronavírus - finalizou.






Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também