Presença de personal de Cristiano Ronaldo causa insatisfação de companheiros

Personal de Cristiano Ronaldo virou assunto na imprensa portuguesa nesta sexta-feira. (Photo by Alexander Hassenstein/Getty Images)
Personal de Cristiano Ronaldo virou assunto na imprensa portuguesa nesta sexta-feira. (Photo by Alexander Hassenstein/Getty Images)

A vida de Cristiano Ronaldo no Catar não está fácil. Diariamente o astro português está sendo capa dos principais jornais do planeta. Nesta sexta-feira (09), na véspera da partida contra Marrocos pelas quartas de final do torneio, o atacante voltou a ser assunto: o jornal português Record trouxe uma reportagem sobre o personal trainer de Cristiano Ronaldo.

De acordo com a reportagem, Ricky Regufe está causando insatisfação de outros jogadores portugueses. O motivo: a presença dele no dia a dia da seleção. De acordo com a reportagem, o personal não é funcionário da Federação Portuguesa de Futebol, logo não deveria estar presente diariamente entre jogadores e comissão técnica.

Leia também:

Segundo a reportagem, Regufe teria um "excesso de influência" sobre Cristiano Ronaldo e que isso causa ainda mais insatisfação dos jogadores.

Polêmicas de Cristiano Ronaldo

A presença do personal trainer de Cristiano Ronaldo no dia a dia da seleção portuguesa é mais uma polêmica em torno do astro. O inferno astral de CR7 começou após a entrevista que concedeu ao jornalista Piers Morgan, em que criticou o Manchester United e o técnico Erik ten Hag. As falas resultaram na rescisão do contrato do atacante com os Red Devils.

Após esse episódio, CR7 passou a ser cobrado por atuações abaixo da média no Catar. Em virtude disso, o técnico Fernando Santos deixou o atacante no banco de reservas contra a Suíça. O caso não pegou bem. Cristiano ficou insatisfeito e teria ameaçado deixar a Copa do Mundo.

Diante de tantos casos envolvendo o astro, na entrevista coletiva desta sexta-feira (09), o técnico Fernando Santos aproveitou para pedir aos jornalistas que parassem de perguntar sobre o atacante.

"Ele nunca me disse que queria sair. É hora de acabar com isso e parar [de falar sobre o assunto]. Ele saiu do vestiário contra a Suíça, aqueceu, saiu correndo para comemorar os gols com seus companheiros. Ele ligou para seus companheiros de equipe para agradecê-los pelo esforço, mas ele saiu e foi embora. Ele marchou sozinho. Vamos deixar Cristiano Ronaldo em paz", disse o treinador