Preço da cesta básica tem alta de 29% em um ano em São Paulo

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
  • Cesta básica na capital paulista teve alta de 29%

  • Maiores altas foram do óleo e do arroz

  • Únicos a ter retração foram alho e água sanitária

O preço da cesta básica na cidade de São Paulo teve uma alta de 29% entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2021, segundo um levantamento com base na pesquisa mensal da Fundação Procon-SP, em convênio com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Em 28 de fevereiro do ano passado, o preço médio era de R$ 786,51 e em 26 de fevereiro deste ano saltou para R$ 1.014,63.

Leia também:

O grupo alimentação passou de R$ 676,82 para R$ 893,56, uma alta de 32,02%, enquanto o de higiene pessoal teve uma variação de 12,06%, de R$ 66,27 para R$ 74,26. A grupo limpeza foi de limpeza, de R$ 43,42 para R$ 46,81, uma alta de 7,81%.

Maiores e menores variações

No período, os produtos que mais subiram foram:

  • Óleo de soja (900ml): 93,01%

  • Arroz (5kg): 82,63%

  • Cebola (kg): 57,96%

  • Sabão em barra (unidade): 47,76%

  • Carne de segunda (kg): 43,03%

Os únicos que ficaram mais baratos:

  • Alho (kg): -4,27%

  • Água sanitária (litro): -4,55%

Cooking oil bottles at factory warehouse
Óleo de soja foi o produto com a maior alta no período: 93,01%

Além dos itens acima, tiveram alta a batata (41,77%), carne de primeira (kg) (38,97%), feijão carioquinha (kg) (22,60%), frango resfriado inteiro (kg) (14,59%) e ovos brancos (dúzia) (12,29%).

Motivos

Questões sazonais, problemas climáticos, preços das commodities e variações cambiais foram alguns dos motivos listados pelo Procon para explicar a flutuação de preços. Outras justificativas foram escassez de oferta ou demanda pelos produtos e desoneração de tributos, dentre outras.