Prass quer virada sobre a Ponte Preta para ficar na história do Palmeiras

O Palmeiras foi surpreendido e perdeu por 3 a 0 para a Ponte Preta no jogo de ida da semifinal do Campeonato Paulista, e neste domingo (23), terá que reverter o resultado se quiser se classificar para a final da competição. Apesar da difícil missão, Fernando Pras acredita que isso só motiva ainda mais os jogadores do Verdão na partida.

"Eu me inspiro no que posso deixar marcado na história do clube se eu fizer determinada coisa. Ganhando títulos ou jogos nesta situação. Tem duas maneiras de ver, o lado bom ou ruim. Você escolhe o lado que quer analisar. Eu vejo pelo lado bom. Temos a chance de chegar de uma maneira histórica, que vai ser lembrada. Ninguém lembra do ano passado, mas uma semifinal como essa, se tivermos êxito, vai ficar marcado. Uma das coisas que me motivam é marcar o nome na história", disse o goleiro.

"Para um jogo assim, em que temos de conseguir um placar elevado, não dá para se querer ter só coração ou só organização. Principalmente o lado emocional, ele entra na parte tática e técnica também. Temos de que tentar achar um equilíbrio para ter um lado emocional forte, porque vai ter uma energia forte na arena e que a gente saiba usar isto na medida certa para nos fazer melhorar e não passar do limite, porque senão atrapalha. Temos de ter tudo no nível ideal para fazer um jogo quase que perfeito", acrescentou.

Ze Roberto Michel Bastos Ponte Preta Palmeiras Paulista 16042017
 Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

O goleiro também comentou o envolvimento e a abordagem da torcida mesmo com o placar adverso no jogo contra a Ponte em Campinas. Prass garantiu que o time alviverde vai se entregar até o último minuto e que os torcedores vão sair orgulhosos do Allianz.

"A resposta da torcida foi sensacional. Na terça-feira tive que sair para ir no shopping e todos que me abordavam falavam que estariam no Allianz e que eles acreditavam e para nós acreditarmos. Passei por diversas situações aqui, Série B com o Pacaembu cheio, brigamos para não cair em 2014 com estádios cheios, e agora é uma coisa de maluco, mas que a torcida já deu mostras de apoio. Independentemente se classificar ou não, quem vier ou assistir de casa vai sair orgulhoso porque vamos dar o que eles querem, que é entrega até o último minuto", finalizou.